Arquivos

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Clube nas mãos do Presidente da AG

Depois desta Assembleia que terminou com "a criança nos braços" do Presidente da Mesa da Assembleia Geral, resta-me reiterar publicamente (algo que tive oportunidade de fazer pessoalmente no final da reunião magna) ao Dr. Artur Moreira e aos restantes elementos que compõem a Mesa da Assembleia, a minha disponibilidade para ajudar, na medida em que entendam que possa ser útil, a viabilizar e a encontrar uma solução directiva para o clube.
O Beira-Mar está a bater no fundo. Dizem-me os associados mais antigos que esta é uma crise com uma dimensão sem precedentes no clube. No entanto, continuo a acreditar na sobrevivência do Beira-Mar e a acreditar que é posível construir um projecto viável para o clube.
Porque não viro as costas ao meu clube do coração e porque se o clube morrer, sinto que uma parte de mim também morrerá, não desistirei de lutar. Continuo a acreditar na salvação do Beira-Mar! Neste momento, só desejo que aqueles que empurraram o clube para a situação em que se encontra, tenham a hombridade de não criarem mais dificuldades.
Errar, todos erram. Dinheiro, todos ganham e todos perdem. Mas a dignidade e o brio das pessoas não tem preço. Que depois de tanta asneira com as consequências que sabemos, que impere um resquício de sensatez. A salvação do Beira-Mar deve ser um desígnio comum de qualquer pessoa que se diz ou acha Beiramarense.
Entretanto, chamo aqui a atenção para a posição pública do M1922 face ao momento do clube. Por agora, não vou tecer mais comentários, fazendo apenas o repto para que o bom-senso impere e se unam todos os esforços no sentido de se criarem as condições mínimas necessárias para o surgimento de uma ou mais soluções directivas.
Beiramarenses, não vamos baixar os braços!

7 comments:

Anónimo disse...

VAMOS SOBREVIVER!

BEIRA-MAR SEMPRE!


SÓCIO 2597

Anónimo disse...

Tu e o teu pai foram os principais obreirod de actual situação que arrebentou com o Beira. Agora põe-se ao fresco e dizes que ganhar e perder dinheiro todos gsnhsm e todos perdem. Cambada de xulos.

Nuno Q. Martins disse...

Caro anónimo das 8:46,

Publico o seu comentário apesar do seu conteúdo ofensivo para lhe pedir e dar a oportunidade de fundamentar a sua acusação.

Faça o favor de concretizar a sua opinião e, se tiver essa honestidade, identificar-se. Para si, é fácil dizer o que quiser de mim e do meu pai, pois sabe quem nós somos. Eu gostaria de também poder dizer o que penso de si, mas como não sei quem é...

Anónimo disse...

A família Martins (pai e filhos)são dos poucos que poderão pegar no leme só que não estão para apostar no escuro. São dos poucos que não abandonaram o barco e de certeza serão os últios a abandoná-lo.
Os chamados salvadores da pátria, ex. S. Vieira, esses nem aparecem e ainda bem, actualmente os clubes não vivem de mecenas oportunistas de curto prazo mas sim de projectos credíveis - desde que lhes dêem condições de partida.
Força BM

Soares de Castro disse...

Eu não publicava insultos, Nuno. Escroques como esses que insultam acobardados debaixo da capa do anonimato, na impossibilidade de levarem dois murros no focinho por não saber quem são, só merecem o desprezo do caixote do lixo. São escarros putrefactos da sociedade que temos. Não merecem tratamento de gente. São um nojo!

André Raio disse...

http://beiraonline.blogspot.com/2009/10/aveiro-solidario.html

Soares de Castro disse...

Aveiro respondeu de forma inequívoca: 33% e 5% para aqueles que atacaram o Beira Mar e o esforço, ainda que titubeante, para o manter vivo. 53% para os que fizeram alguma coisa para tentar remediar as asneiras que os primeiros fizeram e que levaram ao estado comatoso em que se encontra hoje o Beira Mar. Várias lições a tirar e um reforço das razões que têm de levar a Câmara a cumprir as suas obrigações para com um clube que deve muito dos seus males ao incumprimento do contrato da empresa municipal EMA com o clube e que nunca será demais recordar. O tempo é curto, a corda está-se a apertar, urge que a Câmara de Aveiro não deixe morrer o maior símbolo da cidade.