Arquivos

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Penhoras dos ex-dirigentes: pavilhão e andar à venda!

O património do clube penhorado numa das acções movidas por Artur Filipe e José Cachide vai a venda executiva no próximo dia 19 de Novembro, conforme consta de anúncio publicado na edição de hoje do Diário Aveiro (clicar na imagem para aumentar).
Entre os bens que serão submetidos a propostas em carta fechada encontram-se o pavilhão do clube (valor: 665.000,00€) e o "andar-sede" sito na Avenida Lourenço Peixinho (129.500,00€).
Recorde-se que estas penhoras, bem como uma penhora sobre as benfeitorias das antigas piscinas, resultam da primeira acção que os ex-dirigentes Artur Filipe e José Cachide moveram contra o Beira-Mar quando o clube ainda era dirigido pela Comissão Administrativa de Mano Nunes.
Entretanto, penso que seria interessante que os senhores jornalistas pedissem uma explicação a José Cachide relativamente às declarações que proferiu, ontem, ao jornal Record* à luz destas penhoras e consequente venda executiva do património do clube para satisfazer os seus créditos e de Artur Filipe.
-
*DECLARAÇÕES DE JOSÉ CACHIDE AO JORNAL RECORD EM 26/10/2010: José Cachide, credor do Beira-Mar em 1 milhão e 96 mil euros, diz estar “farto de ser o mau da fita.” O ex-presidente desresponsabiliza-se pela grave crise dos aurinegros, sublinhando que as penhoras movidas sobre as receitas do clube foram apenas “uma tentativa de salvaguardar as verbas lá enterradas” por si. (Ler mais >>)

10 comments:

Anónimo disse...

e pronto, acabou-se o clube?

S.Cruz disse...

esse animal é um santo! ainda n sei porque não foram tomadas medidas contra o mesmo, um açaime e um chicote ainda é pouco. Não resolvia nada mas pelo menos não se ficava a rir. Quanto mais não fosse, só por birra...

Anónimo disse...

Bom, o argumento original que a penhora feita ao pavilhão foi para salvaguardar o patrimonio do clube (dita de viva voz em, pelo menos, uma AG) cai por terra. Tal como a promessa que não seriam penhoradas receitas do clube, caso subíssimos à 1ª Divisão.

Que os credores queiram reaver o dinheiro que meteram no clube, penso que é uma atitude legítima e normal. Agora que, nesse processo, matem o clube, continuando a atirar areia para os olhos dos sócios é que penso ser lamentável.

A sensação que dá é que estes sócios querem à viva força recuperar o seu dinheiro e pouco se importam que o clube sobreviva ou não. Com sócios assim, que clube precisará de inimigos???

Mário Marinho

Anónimo disse...

O sr José Cachide e o sr. Artur Filipe são uns aldrabões. Quando questionados numa assembleia geral do Beira-Mar acerca de hipotéticas penhoras, disseram ambos que nunca penhorariam receitas do clube de modo a inviabilizá-lo: é verdade ou mentira? Quem os defende que responda. O problema do povo português, é ter a memória curta. O que se está a passar em Aveiro, se fosse em Guimarães, Matosinhos, etc.etc., teria um final diferente...
Não é possível gerir o clube com gente honesta?

S.Cruz disse...

Ó nuno, diz me lá, juridicamente é possivel "matar" uma entidade para reaver creditos, mostrando a mesma entidade vontade de pagar? e sendo essa entidade conhecida por ser cumpridora dos seus compromissos? ...quer pagar, mas como é que pode pagar se estão a colocar em risco a propria existência? ... Não pode um tribunal arbitrar um pagamento faseado? ...

Anónimo disse...

Não há um sheik árabe que queira comprar o beira-mar?! hummm acho que primeiro era preciso que fosse uma SAD.... por amor de Deus. ser o clubezeco da cidade já morreu... se o beira-mar quer ser algo mais no futebol português tem de deixar o amadorismo de parte, plo menus no que aos dirigentes diz respeito... enfim o que nos vai valendo é que temos uma equipa competente e um treinador fantástico.
Bem ou mal esses senhores sabiam a que conta e risco meteram € no beira-mar. o que me quer parecer eh que na altura não necessitavam dele e não se importaram de "emprestar" ao clube. Agora com a crise precisam desse dinheiro para algum investimento e estão a tentar recupera-lo a todo o custo.

Saudações Beira-marenses

Nuno Q. Martins disse...

S.Cruz,

A lei protege - e bem - os credores. Se uma determinada empresa não paga, por exemplo, aos seus fornecedores, qualquer um deles tem o direito de lhe penhorar os seus bens como garantia de satisfação do seu crédito. Se assim não fosse, a lei estaria a beneficiar quem deve em detrimento de quem já realizou uma qualquer prestação e não foi pago.

A partir do momento em que os créditos dos ex-dirigentes estão reconhecidos judicialmente (o tribunal verificou que o dinheiro agora reclamado foi aplicado em compromissos do clube), só resta ao clube conseguir negociar um plano de pagamento que esteja em condições de cumprir. Caso contrário, já todos percebemos que a vontade dos credores é penhorarem receitas e património para serem mais rapidamente ressarcidos. Para evitar a insolvência, existe a possibilidade do clube avançar para um plano de recuperação, mas esse plano também é sujeito à apreciação da assembleia de credores.

Em conclusão, a "melhor" forma de se evitar que um credor tenha interesse em evitar a insolvência de uma pessoa colectiva é quando esta não tem património nem dispõe de recursos financeiros imediatos para solver a sua dívida. No caso do Beira-Mar, ainda existe algum património (vai agora a venda executiva) e uma expectativa de receitas até ao final desta época (também já penhoradas) que os credores quiseram agarrar.

Um abraço.

PN disse...

E dizia o Cachide, numa certa AG, "Nao existe ninguém mais Beiramarense do que eu." Puras blasfémias.

Anónimo disse...

O que o Cachide diz depende e muito da hora, se antes ou depois do almoço, do lanche ou até do jantar.
homem de negócios.

Anónimo disse...

Toda a gente sabe que, em qualquer empresa, as dívidas aos gerentes, os chamados suprimentos, são dinheiros da empresa que entraram pela porta do cavalo directamente para as contas dos ditos gerentes. Pergumtem ao fisco se, quando vê dívidas a gerentes no balanço (suprimentos-saldo credor da conta de sócios) não os apresenta logo como fuindamento para demonstrar que há vendas por fora?!...