Arquivos

terça-feira, 30 de junho de 2015

Beira-Mar despromovido ao Campeonato Nacional de Seniores (CNS)

   A bomba caiu...e explodiu com grande estrondo no fim da noite de ontem. O Sport Clube Beira-Mar levou mão pesada da Liga de Clubes face aos incumprimentos relativos à época transacta e deixa assim de fazer parte da II Liga 2015/16, sendo relegado para o Campeonato Nacional de Seniores. É com tristeza que todos os amantes do Beira-Mar tiveram na manhã desta terça-feira, sabendo que a vida não será fácil num campeonato duríssimo e onde apenas passará 1 equipa por cada zona (norte, centro e sul). É lamentável ver o clube de Aveiro cair deste modo, mas já tinhamos a consciência que mais cedo ou mais tarde ace às 'brincadeiras' que vinham a fazer com o fogo, um dia iriam queimar-se, e esse dia chegou.
   
Provavelmente será uma equipa totalmente nova, já que irá haver uma varredura a todos os níveis, e isso é que pode fazer cair ainda mais o Beira-Mar. Contudo, saliento aqui episodios identicos ao do Beira-Mar como as apostas ilegais por parte do Atlético, o 'jogo-fantasma' do Freamunde contra o Ponferradina, os inúmeros salários em atraso do Olhanense...e verificamos que tudo isto passou impune à Liga. E uma vez mais, pelo 2º ano consecutivo, o Atletico volta a ocupar a vaga extra na II Liga, provavelmente porque terá mais influencias do que o Beira-Mar neste momento na Liga, porque já lá vão os tempos em que o Sr. Madaíl tinha voz dentro da Liga.
Antes da decisão da liga de descer o Beira-Mar, o Beira-Mar foi penalizados com a subtracção de 4 pontos, mas a decisão final ficou com a relegação para o CNS.


Reacções de alguns históricos sobre o tema:
“Recordo tempos idos e lembro-me de tudo e de todos. Sinto uma tristeza profunda e faço um esgar de raiva. Os 'artistas' que começaram com esta derrocada em 2005 e os que a finalizaram, com o acordo que fizeram com o homem do Irão. Algum dia terão a consciência tranquila? Mas será que algum dia a tiveram? Julgo que não, pois a vaidade, ofuscou-lhes tudo”, escreve o antigo dirigente, Mano Nunes, no Facebook.
“Se este for o preço necessário para acabar com uma SAD ao serviço de interesses estranhos e espúrios, em nada condizentes com o passado, a história e os valores do Sport Clube Beira Mar, abençoada decisão, por muito dura que seja no imediato, por muito triste que possa parecer. A médio e longo prazo será, inquestionavelmente, uma forma de o Clube se reencontrar consigo mesmo e com a própria cidade”, disse João Pedro Dias, membro da AG do Beira-Mar.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Petição: Queremos de volta o Sport Clube Beira-Mar ao relvado do Estádio Mário Duarte

Petição pública - Queremos voltar ao Estádio Mário Duarte
Esta petição foi lançada por mim há algum tempo, e espero que face aos últimos comentários proferidos pela actual administração da SAD beiramarense, o desejo de voltarem a requalificar e colocar o Beira-Mar de novo a jogar no velho Estádio Mário Duarte faça sentido. Verdade é que muitos adeptos perderam a ligação ao Sport Clube Beira-Mar depois da mudança para cascos de rolhas, para um estádio num meio descampado. Muitos, incluindo eu próprio, mantenho a promessa de que no dia em que o Beira-Mar volta à sua verdadeira casa, lá estarei novamente para pagar cotas e ver os jogos em casa. Isto é realmente o que 80% dos beiramarenses que se desligaram do clube pensam neste momento. Muitos deles, nem se importam de pagar as cotas para irem ver 1 ou 2 jogos por mês no mítico Mário Duarte, o qual estava perto da ria, dos velhos aveirenses que devido à distancia não puderam acompanhar o Beira-Mar, assim como aqueles que na periferia como os vaguenses, ilhavenses, gafanhas, se colocavam em poucos minutos no pulmão do Parque de Aveiro para irem apoiar o Sport Clube Beira-Mar. Todos sabemos que naquele estádio pequeno, muitas das grandes equipas não passaram, e foi lá que o Beira-Mar fez algumas subidas de divisão e outros feito históricos, como o seu primeiro jogo em casa para a Taça UEFA frente ao Vitesse. Ninguém tem dúvidas que os resultados desportivos seriam bem melhores, os pontos amealhados em casa seriam muito mais do que aqueles que fizemos quando fomos para o novo estádio, assim como a nível de jogo, o Beira-Mar praticava um futebol mais atractivo além de que o apoio seria bem maior.

Tentei fazer uma micro-análise aos últimos 5 anos no Estádio Mário Duarte entre 1998/99 e 2002/03:
  • 1998/1999 (Estádio Mário Duarte)
     - 12 vitórias, 17 empates e 13 derrotas.
     - 54 golos marcados e 58 golos sofridos.
     - 16º lugar na 1ª Liga Portuguesa (descida de divisão)
     - Vencedor da Taça de Portugal
  • 1999/2000 (Estádio Mário Duarte)
    - 19 vitórias, 12 empates e 9 derrotas.
    - 59 golos marcados e 38 golos sofridos.
    - 2º lugar na 2ª Liga Portuguesa (subida de divisão)
    - Finalista na Supertaça Cândido de Oliveira (perdemos as 2 mãos com o FC Porto)
    - Taça UEFA 1999/2000 1ª ronda (1-2 na 1ª mão, 0-0 na ª mão)
  • 2000/2001 (Estádio Mário Duarte)
    - 14 vitórias, 7 empates e 14 derrotas.
    - 45 golos marcados e 52 golos sofridos.
    - 8º lugar na 1ª Liga Portuguesa
  • 2001/2002 (Estádio Mário Duarte)
    - 11 vitórias, 9 empates e 16 derrotas.
    - 52 golos marcados e 58 golos sofridos.
    - 11º lugar na 1ª Liga Portuguesa
  • 2002/2003 (Estádio Mário Duarte)
    - 10 vitórias, 10 empates e 16 derrotas.
    - 45 golos marcados e 53 golos sofridos.
    - 13º lugar na 1ª Liga Portuguesa
    - Fary melhor marcador da Liga 2002/2003
Agora, a micro-análise aos primeiros 5 anos no Estádio Municipal de Aveiro entre 2003/04 e 2007/08:
  • 2003/2004 (Estádio Municipal de Aveiro) - 12 vitórias, 8 empates e 16 derrotas.
     - 39 golos marcados e 48 golos sofridos.
     - 11º lugar na 1ª Liga Portuguesa
  • 2004/2005 (Estádio Municipal de Aveiro)
    - 10 vitórias, 15 empates e 17 derrotas.
    - 43 golos marcados e 62 golos sofridos.
    - 18º lugar na 1ª Liga Portuguesa (descida de divisão)
  • 2005/2006 (Estádio Municipal de Aveiro)
    - 18 vitórias, 14 empates e 3 derrotas.
    - 45 golos marcados e 19 golos sofridos.
    - 1º lugar na 2ª Liga Portuguesa (subida de divisão)
  • 2006/2007 (Estádio Municipal de Aveiro)
    - 12 vitórias, 15 empates e 19 derrotas.
    - 52 golos marcados e 65 golos sofridos.
    - 15º lugar na 1ª Liga Portuguesa (descida de divisão)
  • 2007/2008 (Estádio Municipal de Aveiro)
    - 13 vitórias, 16 empates e 11 derrotas.
    - 36 golos marcados e 42 golos sofridos.
    - 6º lugar na 2ª Liga Portuguesa

Como podemos ver nos últimos 5 anos e nos primeiros 5 anos em estádios diferentes o Beira-mar perpetuou os seus adeptos com algumas tristezas e alegrias, embora as alegrias fossem sempre maiores no velho Estádio Mário Duarte. Em relação aos últimos 5 anos a contar de hoje no Estádio Municipal de Aveiro as coisas também não abonam a favor do sucesso e desde que o Beira-Mar veio para o Estádio Municipal de Aveiro e virou em SAD que o clube aveirense deu uma volta de 180º não tendo ninguém ao leme com punho como antigos dirigentes que levaram o Beira-Mar a ser das equipas portuguesas mais respeitadas, sobretudo nos seus jogos caseiros, onde muitos adversários sentiam que jogar em Aveiro poderia ser sinónimo de perda de pontos, tendo sido considerado um dos estádios mais difíceis de se jogar. A dimensão do nosso clube não pode ser tão megalómana para teremos o 5º maior estádio de Portugal, até porque só as moscas é que o enchem.

Se concordas com a vinda do Sport Clube Beira-Mar para o antigo Estádio Mário Duarte, assina a petição em PETIÇÃO PÚBLICA - Beira Mar

Vamos reerguer novamente a mística aveirense. Vamos fazer com que o desejo se realize.

Beiramarense um dia, Beiramarense para todo o sempre.


Update:

  1. Todos nós sabemos que a requalificação do Estádio Mário Duarte envolveria custos, principalmente nas infraestruturas e possivelmente na colocação de cadeiras novas. Contudo, penso que se houver uma peditório, uma chamada dos aveirenses para ajudarem com a sua solidariedade, a requalificarem o estádio que está em estado degradante e o qual de certeza iria ser correspondido na totalidade pelos amantes de Aveiro. O Beira-Mar teria ajudas bem maiores das empresas envolventes de Aveiro do que as que tem neste actual estado.
  2. Um dos pontos que já se falou foi a demolição do EMA, mas isso só as entidades que gastaram 63M€ diz respeito, desde que deixem o Sport Clube Beira-Mar longe do processo e qualquer ligação com custos ao EMA.
  3. As operações de financiamento do EMA, através de fundos imobiliários, custam aos aveirenses 9.400€/dia, cerca de 3,5M€/ano a todos os contribuintes aveirenses, dinheiro suficiente para requalificar o Estadio Mario Duarte e reerguer uma equipa como o Sport Clube Beira-Mar, onde de certeza que passado 1 ano deste investimento, o montante seria bem mais baixo.
  4. O mais triste é saber que passados 12 anos, cada aveirense paga 32€/ano para o 'mono' que se situa fora de Aveiro.
  5. A minha sugestão ficaria numa taxa especial de 1º ano imposta pela Câmara de Aveiro, onde cada aveirense daria 10€/ano (só no 1º ano) o que representaria no 1º ano aos 78.000 habitantes contribuintes aveirenses uma verba a rondar os 780.000€, o que juntando ajudas de empresas aveirenses o montante chegaria ao montante considerável de 1M - 1,5M€, o que já daria muito jeito para requalificar a estrutura do velhinho estádio.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Entregue candidatura para a época 2015/16

O Beira-Mar concluiu com todos os pressupostos aplicados pela Liga, sendo que Deus Pereira acredita que a formalização corre lindamente e que o Beira-Mar estará na 2ª Liga na próxima época. Contudo, os aveirenses e sócios do clube terão de esperar pela próxima 2ª feira para saberem se foi ou não aprovada a continuidade do clube no segundo escalão.

Última Hora
  •  O defesa Fábio Santos e o médio Assis que rescindiram recentemente com o clube aveirense, foram apresentados hoje no GD Chaves, antevendo desta forma um ataque feroz para a nova época do clube transmontano, ao invés do clube aveirense que perde duas grandes figuras que podiam dar bastante na nova época no Beira-Mar.
  • O Beira-Mar prepara uma gala beiramarense para destacar os sócios com 25 e 50 anos de filiação.

sábado, 20 de junho de 2015

Paulo Alves sai e é dado como certo no Mafra

  Segundo as notícias que correm pelos jornais, o ainda actual treinador do Beira-Mar estará em negociações com o Mafra, sendo mais uma baixa na nossa equipa, sabendo que foi um excelente profissional e com resultados garantidos desde que chegou ao Beira-Mar em Dezembro.
   Nos 26 jogos ao serviço do Beira-Mar na epoca 2014/2015, alcançou 8V-11E-7D.

domingo, 7 de junho de 2015

Omar Scafuro em tribunal a 18 de Junho


 
 Omar Scafuro foi (finalmente) chamado a depor em tribunal em relação ao julgamento do processo em que a 32 Group de Majid Pishyar reclama a devolução das ações da SAD do Beira-Mar vendidas no final de 2013 a Omar Scafuro, alegando que este não pagou 300 mil dos 450 mil euros acordados pela posição maioritária (quase 85%). A audiência foi marcada para 18 de Junho e veremos se o italiano comparece em tribunal. Contudo, o consenso entre Pishyar e Paulo Silva deverá demorar algum tempo até ser concluído. Ao que tudo indica, espera-se que entre os dias 20 e 27 de Junho muito do futuro para a próxima época esteja resolvido dentro da equipa aveirense.

SAD e Clube entram em consenso


Ao que tudo indica parece que tanto a SAD e o Clube entraram em consenso nos últimos dias e a palavra dada pela SAD vai na via de que o Sport Clube Beira-Mar já começou a preparar a próxima época, invocando dentro de dias, provavelmente no decorrer desta semana, um comunicado no qual darão algumas informações relativas à nova pré-época, embora continue a novela dos 5 meses de salários em atraso. Mesmo assim, a SAD afirma que a nova época vai avançar e tranquiliza desta forma o Clube.
  De relembrar, que face aos salários em atraso, o Beira-Mar já perdeu Fábio Santos, defesa titular indiscutivel e o médio criativo Assis. Atrás destes dois nomes, consta-se que Edu e Vitor Vinha seguirão as mesmas pisadas. Contudo, a SAD já fez saber que de forma séria e honesta quer estabilizar este clube rumo a uma época bem mais tranquila do que a transacta.

Publicidade com o Beira-Mar entre 2011 e 2013 poderá dar em condenações

  Face às notícias vinculadas nas últimas horas, o Ministério Público (MP) pediu a condenação por prevaricação de 10 dos 13 autarcas que aprovaram no seio da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) dois contratos de publicidade com o Sport Clube Beira-Mar SAD.

 Em causa, pagamentos de cerca de 40 mil euros por conta de protocolos que vigoraram nas épocas de 2011 a 2013, alegadamente como forma de contornar a impossibilidade legal de apoiar o futebol profissional. Pelo que consta, Ribau Esteves (ex-presidente da CIRA e actual presidente da câmara de Aveiro) e José Eduardo Matos são os nomes que o MP acha que mais activos estiveram nas negociações de publicidade.

in Diário de Aveiro

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Assis bate com a porta

Assis (Beira-Mar 2014/15)
Parece que agora é uns atrás dos outros. Desta vez é Assis, médio do Sport Clube Beira-Mar e um dos melhores jogadores auri-negros bateu com a porta, pedindo a rescisão unilateral do contrato por mais um ano, invocando junto da Liga de Clubes através do seu procurador os salários em atraso que tem vindo a sofrer mês após mês.
Mas estando de férias no Brasil não quererá dizer que fique por lá, sabendo nós que Assis assumiu vontade em regressar ao futebol português, onde muito provavelmente terá clubes interessados em si tanto na 1ª Liga como são os casos do Tondela, União da Madeira e Arouca, ou clubes da II Liga com pretensões de fazerem uma época de subida de divisão. Contudo, parece que as saídas não ficam por aqui, e enquanto a SAD/Paulo Silva/Clube não se entenderem mais jogadores irão atrás de Assis e Fábio Santos avançando para a rescisão unilateral dos contratos, estando neste momento na porta de saída jogadores como Rego, Vitor Vinha, Manafa, Edema, André Nogueira, Pedro Moreira e Edu.

Fábio Santos de saída

Fábio Santos (Beira-Mar 2014/2015)
A pouco e pouco o plantel do Beira-Mar vai emagrecendo, e enquanto não houver uma credibilidade dentro deste clube não creio que nenhum jogador pense em envergar a camisola auri-negra na próxima época. E como nem atam nem desatam no seio da SAD, os jogadores com mais de 5 meses de atraso ponderam avançar para rescisão com justa causa, como é o caso de Fábio Santos, jogador que muito deu ao Beira-Mar esta época, com um total de 46 jogos, tendo marcado 2 golos. Tendo sido um dos titulares mais utilizados por Paulo Alves, certamente que Fábio Santos terá mercado, principalmente na 2ª Liga, e ao que tudo indica numa equipa com pretensões de subida e onde os salários são certos ao final do mês, estando possivelmente um interesse do Freamunde em cima da mesa.

Renascer a blogosfera beiramarense


Depois do fim do Mais Beira-Mar, o Bancada Norte terá de voltar ao activo, de forma mais intensiva, sendo que pela minha mão, tentarei informar sobre o que tem vindo a surgir no mundo beiramarense, sempre que assim se justifique.
 Enquanto ainda não se sabe quem irá assumir a 100% a SAD do Sport Clube Beira-Mar, parece que Pishyar e Paulo Silva têm vindo a colaborar em conjunto no 'novo' Beira-Mar 2015/2016. Embora Pishyar tenha vindo a apagar alguns fogos, devido à incompetência de Scafuro e Companhia, parece que face a alguns pagamentos nos últimos dias, o Beira-Mar conseguiu a inscrição na Liga de Clubes para a próxima época. 
 Contudo, ainda muitos buracos faltaram tapar, mas a pouco e pouco todos acreditam numa recuperação de forma gradual neste 'novo' Beira-Mar. Ao que tudo indica Paulo Silva quererá comprar uma cota parte ou a totalidade da percentagem da família Pishyar no Beira-Mar de forma a controlar a SAD a 100%. Os próximos dias serão decisivos.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

O fim do Mais Beira-Mar

Em meados da década de 2000, a blogosfera conheceu o seu auge no que ao acompanhamento do quotidiano beiramarense diz respeito.
Esta casa, fundada em Junho de 2005, durante vários anos acompanhou a "par e passo" a vida auri-negra e viu nascer e morrer muitos blogues dedicados ao Beira-Mar.
Ao longo deste percurso, depois dum período muito intenso de atividade (entre 2005 e 2008), também esta casa conheceu alguns interregnos de atualizações.
Entre todos os blogues dedicados ao clube, o Mais Beira-Mar  foi aquele que, inequivocamente, conseguiu resistir mais tempo e com uma atualização constante.
Só quem passa pela experiência de ter um blogue que acompanha uma causa de forma crítica e permanente sabe o desgaste que tal desiderato provoca.
Por essa razão, compreendo a decisão dos membros do Mais Beira-Mar em encerrar um blogue que, apesar de ter vários colaboradores, dependia em demasia do empenho duma pessoa. Lamento o encerramento por achar que o clube merece ter um espaço na internet onde os sócios e adeptos se reúnam para partilhar informação e trocar opiniões. O Mais Beira-Mar cumpria essa função de fomento da massa crítica em torno do clube. Era a referência do Beira-Mar na web. O seu encerramento constitui uma baixa importante na vida do clube.
No entanto, dado o seu modelo de "liberdade total" e proteção dos comentários sob anonimato, o Mais Beira-Mar tornou-se simultaneamente num espaço perverso para o clube. Em vez de contribuir para unir as pessoas, tornou-se num espaço privilegiado para a difusão da calúnia e da difamação movida por interesses que não os do clube. Neste aspeto, penso que o blogue estava a prestar um mau serviço, contribuindo para um clima quezilento e divisionista entre os próprios beiramarenses.
Espero que alguns dos muitos visitantes assíduos do Mais Beira-Mar ganhem coragem e avancem com novos blogues sobre o clube e que não descurem a dimensão de interesse público dessa função. Contudo, que saibam extrair da experiência do Mais Beira-Mar a aprendizagem necessária para que se ergam projetos que sejam mais-valias inequívocas para o clube.
Nos próximos tempos, esta casa dificilmente conseguirá readquirir a dinâmica que já teve no passado. Ainda assim, disponibiliza-se para divulgar os novos espaços na web que entretanto possam surgir e, claro, sempre que se justificar, poderá aparecer por aqui um ou outro post, mas sem compromisso, pois o tempo disponível para o efeito é cada vez mais reduzido.
Aos autores/editores do Mais Beira-Mar, manifesto aqui publicamente o meu agradecimento, como beiramarense, pelo empenho que dedicaram ao blogue e faço votos para que continuem a acompanhar, com o mesmo sentido crítico de sempre, a vida do nosso clube.

sábado, 14 de março de 2015

Os donos do Beira-Mar!


Já muito se discutiu sobre as causas que concorreram para o declínio do Sport Clube Beira-Mar. Desde 2005 que se verificou uma acentuada e gradual perda de associados do clube, a qual se pode justificar num conjunto de decisões e episódios que, em comum, têm o facto de terem contribuído para o insucesso desportivo e financeiro, levando à perda de património do clube para os credores e, consequentemente, a descredibilização pública da instituição.

Chegados a 2015, constatamos que o clube desportivo mais representativo da região de Aveiro não tem uma casa, vivendo disperso por campos, pavilhões e outros espaços doutros clubes e entidades. Não obstante as dificuldades inerentes à atual dispersão das células do clube por espaços de terceiros, é impressionante registar que o SC Beira-Mar continua a promover e a proporcionar a prática desportiva a mais de meio milhar de atletas, distribuídos pelas dez modalidades atualmente em atividade: andebol, atletismo, basquetebol, bilhar, boxe, futebol, futsal, hóquei em patins, judo e paintball.

É esta dimensão de clube formador e eclético que nos permite afirmar que, apesar de todas as adversidades, o SC Beira-Mar mantém intactos os princípios e os valores inerentes a uma Instituição de Utilidade Pública, tendo sido agraciado na sua já longa história com os títulos de Oficial da Ordem de Benemerência, Medalha de Prata e de Ouro da Cidade de Aveiro, Medalha de Mérito Desportivo, entre tantas outras prestigiantes distinções.

A cumprir o seu 93º aniversário, o SC Beira-Mar agrega em si uma história de desenvolvimento desportivo e recreativo duma comunidade que se projetou através duma marca, com uma forte dimensão regional, que conquistou notoriedade e prestígio nacional e internacionalmente.

Ser dirigente do SC Beira-Mar é, por isso, um motivo de grande orgulho e, simultaneamente, de grande responsabilidade. Ao aceitarmos dedicar tanto do nosso tempo e da nossa atenção a este projeto associativo, sem qualquer tipo de benefício pessoal ou remuneração, fizemo-lo na convicção de que poderíamos prestar um humilde contributo à nossa comunidade, assumindo a missão de superar esta fase tão difícil que o nosso clube está a passar.

Não podemos ignorar as profundas alterações sociais verificadas nos últimos anos. Temos a consciência que a sociedade está a desenvolver-se num modelo cada vez mais individualista, em manifesto prejuízo do associativismo. Vivemos um paradigma assente na competitividade, projetada e potenciada no ser humano individualmente considerado, a qual fomenta uma perspetiva de realização pessoal do indivíduo efémera, reduzida ao espaço temporal da sua própria existência, relegando para um plano menor a participação e o envolvimento em projetos e iniciativas de cariz associativos com uma dimensão inter-geracional. A mobilização em torno de desígnios coletivos consistentes e duradouros afigura-se, por todos os motivos, uma missão ainda mais complexa quando aliada a uma conjuntura económica e financeira extremamente adversa que propicia a submissão da ética aos interesses pontuais e individuais que se elevam em cada momento.

A realidade Beiramarense atual, não obstante as suas idiossincrasias, não pode, naturalmente, ser desligada de todo o contexto que a envolve. Se a comunidade, que é a verdadeira razão de existir do clube, quiser que o mesmo projete a sua existência para além do momento presente, tem necessariamente de assumir uma postura ativa na construção dum projeto de vida intemporal para o clube, ao invés de “lançar mão” de algumas aparentes soluções que apenas lhe permitem sobreviver por mais uns tempos, diferindo as responsabilidades sobre as decisões difíceis para a geração seguinte.

A Direção que integro não pretende ficar na história do clube por ter sido a melhor, nem por ter sido a pior. Quer ficar na história, assumidamente, por contribuir, tal como tantas outras, enquanto estiver em funções, para o desenvolvimento e perpetuação da atividade do clube, porque entende que a mesma é relevante para a comunidade. Tal desígnio só se concretizará com o reforço da implantação do clube através do desenvolvimento da sua atividade orientada para a satisfação, em primeira linha, duma necessidade que a esmagadora maioria dos aveirenses reconhece: Aveiro, enquanto concelho e capital de região, deve ter, porque merece, um clube desportivo de referência. Ao consegui-lo, é na insígnia desse clube que se projetam a capacidade, o empreendedorismo, a inovação, a visão e os valores duma comunidade. É este o papel que a história reservou para o Sport Clube Beira-Mar.

O Beira-Mar não é apenas uma equipa ou um clube de futebol profissional. Não é apenas um conjunto de pessoas que se juntam para dinamizar umas modalidades. Não é apenas uma escola de formação desportiva. Não é apenas uma entidade que organiza alguns eventos sociais. Não é apenas uma insígnia de Aveiro que é tão conhecida no exterior como os moliceiros ou os ovos moles.

O Beira-Mar é tudo isto e pode ser ainda mais. O Beira-Mar é de Aveiro, é e será aquilo que os Aveirenses, que nasceram ou vivem nesta região, queiram que seja. Mas é preciso que queiram. Que desejem algo para a sua comunidade e que integrem o clube na função que lhe competir. A indiferença reinante na comunidade em relação ao clube tem contribuído para a sua destruição. Não apenas a destruição do clube, enquanto entidade, mas também a diminuição da sua função social.

Os atuais órgãos sociais do clube e as várias dezenas de dirigentes e colaboradores das modalidades em atividade estão dispostos, enquanto houver força e motivação, para aguentar o clube vivo e não desistir, em primeira linha, da sua função social. No entanto, desengane-se quem pense que estes resistentes são movidos por um qualquer combustível inesgotável. O SC Beira-Mar precisa, com urgência, de garantir um projeto de desenvolvimento que seja sustentável e que permita afirmar-se em todas as frentes que a comunidade a que se destina reclama.

A formação desportiva e o desporto profissional são duas faces da mesma moeda e desempenham uma função complementar na implantação e difusão da marca “Beira-Mar”, património de Aveiro e dos Aveirenses.

Estar à altura das específicas exigências do tempo presente implica um esforço de compreensão da História, dos Valores, da Missão e da Ambição que os Aveirenses representam no seu/nosso Sport Clube Beira-Mar.

Os Aveirenses, que nasceram ou viveram em Aveiro, que ao longo destes 93 anos, de alguma forma, envergaram a camisola auri-negra são os verdadeiros donos do clube! É, portanto, aos Aveirenses que compete refletir e decidir qual será o futuro do Sport Clube Beira-Mar nesta e nas próximas gerações.

Saudações Beiramarenses,

Nuno Quintaneiro Martins

Artigo publicado no suplemento Notícias à Beira-Mar, inserido no Diário de Aveiro, de 13-03-2015.
  

domingo, 30 de março de 2014

2ª Iniciativa do "Pensar o Beira-Mar"


Candidatos à presidência do clube estiveram na assistência, preferindo, nesta altura, ouvir o sentimento dos associados.

As duas listas que vão disputar os orgãos sociais do Beira-Mar, nas eleições do princípio de maio, marcaram terreno no debate organizado ontem pela tertúlia "Pensar Beira-Mar".

A pretexto do tema "Beira-Mar, uma bandeira da região" elementos das candidaturas que devem ir a votos aproveitaram a presença dos sócios para expôr algumas ideias fortes.

O encontro na antiga escola primária do Adro ficou marcado, ainda, pelo regresso a iniciativas ligadas ao clube do ex-presidente Mano Nunes, sem, contudo, fazer qualquer intervenção.

António Regala, atual presidente, voltou também a sentar-se na assistência para ouvir os contributos que a organização pediu a Pedro Silva, ex-vereador da Câmara, especialista em planeamento, e Jorge Silva, presidente da Associação Comercial de Aveiro.

Para Jaime Machado, número dois da atual direção, que deverá acompanhar a recandidatura do presidente,o clube tem vivido "demasiado" para o futebol profissional. O  futuro do clube deve passar, a partir de agora, por "construir infra-estruturas para chamar mais praticantes".

Nuno Quintaneiro, um dos promotores da lista alternativa que vai apresentar os seus rostos a 2 de Abril, deixou já um conjunto de propostas mais vasto, concordando que o clube tem dado "enorme enfoque" no futebol profissional, apesar da "inegável importância" de ter uma equipa competitiva. "Mas também há a dimensão eclética, onde estamos a perder força", sendo imperioso, na sua óptica, "cativar os sócios" atuais e futuros.

Antes, ouviu-se Pedro Silva relevar o potencial do Beira-Mar numa óptica regional. "Um clube de futebol pode dar grande visibilidade, se tiver crescimento, às nossas empresas", lembrou.

Jorge Silva, representante do comércio local, estranha a falta de envolvimento da cidade no clube, mas este também tem as suas culpas no cartório por não saber criar laços. "Esqueçam a Câmara ou as Juntas, o Beira-Mar tem de ter a sua própria identidade e mobilizar quem tem paixão pelo clube", referiu.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Vamos (continuar a) pensar o Beira-Mar!

Com o mote "Beira-Mar a bandeira duma região", surge a segunda iniciativa da plataforma "Pensar o Beira-Mar", a qual contará com oradores que representam algumas das forças vivas da região. Além do magnífico painel de oradores, é esperada ainda a presença na plateia de alguns empresários aveirenses de referência, os quais serão chamados a participar neste debate. É já esta sexta, no auditório da Junta de Freguesia da Vera Cruz, pelas 21:00 horas. A entrada é livre.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

1ª Iniciativa do "Pensar o Beira-Mar"



O Grupo Pensar o Beira-Mar agradece publicamente ao Dr.Gilberto Madaíl, ao Engº. Alberto Roque e ao Carlos André pela participação e reflexões transmitidas, bem como aos sócios e simpatizantes que compareceram de uma forma muito numerosa e construtiva. 

O espírito de elevação e as ideias partilhadas reforçaram a união indispensável e projectaram novos trilhos para voltarmos a ter um Beira-Mar forte.

O nosso muito obrigado ao Pedro Martins pela forma exemplar como conduziu o debate e à Junta de Freguesa da Vera-Cruz por toda a deferência e pelo espaço disponibilizado. 

Agradecemos também a todos os órgãos de comunicação social e ao Aveiro Canal pela cobertura dada ao evento permitindo transmitir aos Beiramarenses que não puderam estar presentes parte da discussão de ontem. 

Contamos com todos para a próxima reflexão. Contamos com todos para a mudança engrandecedora. Viva o Beira-Mar!

 Todos juntos, vamos Pensar o Beira-Mar!