Arquivos

sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

Augusto Inácio "abriu o livro"

Disponibilizo na íntegra a extensa entrevista concedida por Augusto Inácio e conduzida pelo Carlos Teixeira que é publicada na edição de hoje do Jornal O Jogo. O meu comentário à mesma ficará para outro post.

"Corro mais riscos eu do que o Beira-Mar"

Ficar em Aveiro foi um risco calculado?

Foi mais difícil no início porque houve eleições, uma nova direcção e ideias diferentes. Havia que estruturar o clube. Ficámos com a defesa e o Rui Lima. Depois era tudo novo. Reconheço que é um risco para a minha carreira. Corro mais riscos eu com o Beira-Mar do que o Beira-Mar comigo. O que me agradou foi ver um clube com futuro. Gostei da forma como fui abordado e já tinha a experiência de construir um plantel novo em Guimarães. Foi também a estabilidade que eu senti que poderia existir para os jogadores.

O presidente alerta para prováveis dificuldades financeiras. Preocupado?

Os problemas do plantel são os problemas da direcção e da equipa técnica. Todos vivemos os problemas de todos. Não é pela direcção que as coisas não serão cumpridas. Nota-se que é um clube credível. Muitos jogadores querem vir para cá e isso é sinal de confiança. Já passei por esses problemas no Marítimo e no Guimarães e entendo que as direcções devem dar a cara. Estamos a falar de "ses", mas se isso acontecer acho que o grupo irá reagir bem.

Se Mano Nunes tivesse continuado estaria em Aveiro seria hoje treinador?

Se me quisessem, ficaria. Trabalhámos durante mês e meio e houve uma boa relação. Com esta direcção tenho uma relação e amizade. Isto não é puxar o saco. Há gente fantástica.

Futebol é realismo...

Claro que sim. Os treinadores vivem sempre num arame sem rede. Se as vitórias não aparecem caímos e vamos por aí abaixo. Mas se isso acontecer não deixaremos de ser amigos.

A carreira da equipa está a valorizar a do treinador...

Tenho a certeza que se aparecesse um clube grande esta gente não me impediria de sair. Se o momento for bom, o futuro será bom. Sei que estou num bom momento.

"Se estivesse na primeira divisão com este plantel estaria descansado"

Numa época de riscos, houve falhas...

Assumo uma falha: o Didi está a provar no Brasil que é bom mas aqui não deu. São coisas que acontecem. Sem o Roma ficámos em posição difícil mas dentro da organização traçada conseguimos atrasar as desconfianças em relação à equipa.

Que segredo é esse?

Ter um balneário forte. Os últimos 15 dias de Novembro e o mês de Dezembro foram terríveis. Já disse aos jogadores que se estivesse na primeira divisão com este plantel estaria igualmente descansado. A chave é o balneário.

Os dirigentes falam em trabalho de médio prazo. A equipa do próximo ano está feita?

Penso que irá receber entre quatro a seis jogadores. Mais de 50 por cento do trabalho estará feito em relação a entrosamento, hábitos e leis de balneário. Depois é só encaixar as peças.

Já foi abordado para continuar?

Continuo a fazer o meu trabalho. Sei que os dirigentes manifestaram, indirectamente, interesse ao dizer que não haveria problemas de contrato com o Inácio.

"Não souberam reconhecer o esforço"

Como sente o pulsar do clube?

As pessoas levaram uma grande pancada com a descida. Aos poucos voltam a acreditar. Não gostam de ver o Beira-Mar na segunda Liga. Parece-me que falta paixão das pessoas na relação com o clube, exceptuando os Ultra Auri-Negros. Nunca apanhei uma claque assim. Mesmo que não joguemos bem, estão sempre ao lado do clube. Nunca ouço assobios daquele lugar. É diferente para melhor porque é cívica e está sempre com o clube.

Assobios que chegam das outras bancadas...

Mas eu sou o maior crítico da minha equipa. Sou o próprio a reconhecer e sou o primeiro a dizer se a equipa não esteve bem. O público deve perceber que tivemos falta de avançados e a equipa ofensivamente era fraca e frágil. As pessoas não tiveram o senso e a noção das dificuldades que tivemos para ganhar jogos. Faltaram-nos soluções e as pessoas não souberam reconhecer o esforço.

E com os reforços estará pronta para conquistar os adeptos?

Não podem esperar que joguemos sempre bem. Se formos poderosos e dominadores eles virão atrás de nós. Faço um desafio aos adeptos: se jogarmos muito bem e ganharmos conseguem vir sete ou oito mil pessoas ao estádio?

"Temos um excelente calendário"

Principais adversários na subida?

Olhanense, Aves, Leixões e Portimonense. Destas cinco, duas sobem. Se tivéssemos ganho na Feira teríamos seis pontos de avanço sobre o terceiro. Primeiro temos o objectivo subida e depois o título. Esta é a filosofia, ao contrário de outros que pensam mais no primeiro lugar.

Parece mais uma referência ao Olhanense...

Não estou a falar em nomes. Falo por aquilo que Feirense e Maia reclamaram. O que disse é que não podemos pagar facturas dos outros que são prejudicados nos jogos com o Olhanense e que a seguir jogam com o Beira-Mar. O Olhanense tem uma belíssima boa equipa, é um clube com futuro e representa uma região que tem direito a pensar que merece um clube na primeira divisão.

Os jogos com os candidatos em Aveiro serão decisivos?

Se até esses jogos mantivermos distâncias, aí tudo se irá definir. Temos um excelente calendário. Dos clubes nos lugares cimeiros vamos às Aves e à Covilhã e recebemos Portimonense, Olhanense e Leixões. Nos últimos quatro jogos, teremos três em casa. Acho que muitos gostariam de ter este calendário.

"O campeonato está desvirtuado"

Com tantas dificuldades financeiras, este campeonato encerra verdade desportiva?

Este campeonato está desvirtuado. Jogámos com a Ovarense limitada mas quando jogarmos com Marco ou Estoril eles terão outras soluções. O Portimonense ganhou ao Marco sem jogar. Acho que há clubes mais beneficiados. É preciso perguntar o que é que os dirigentes querem da segunda Liga. Competitiva é, mas há alguma falha. Para que servem as garantias bancárias? Não acham vergonhoso haver jogadores à míngua? E os que cumprem e até lutam para não descer? E a vertente humana e familiar de um ser humano? Não se entende a seriedade deste campeonato.

Está a 14 jogos sem perder. Qual é a meta?

Tenho um recorde pessoal e quero bater esse recorde. Ainda falta alguns jogos para chegar lá.

O que espera deste trajecto até final?

Vai haver mais nervos porque descem seis equipas e há os que investiram para subir e podem estar mais longe do objectivo. Tudo somado dá uma segunda volta mais quente e mais polémica.

Instalados no primeiro lugar, fartam-se de facturar nos prémios de jogo...

Os prémios só são válidos nos dois primeiro lugares. Não sei em quanto vai mas sei que está a somar. No Feirense não ganhámos e por isso não recebemos. Os jogadores ambiciosos não devem receber por empatar ou receber se estiverem no quinto lugar. Só têm prémio por objectivo mas isso é um factor aleatório no rendimento. Os atletas têm uma mentalidade responsável e um dia quando saírem irão dar valor ao clube onde estiveram.

Quem são os líderes de grupo?

Essa questão tem muito a ver com feito e idade. Dentro do campo podem ser líderes mas no balneário também é preciso atributos. Foi importante estar cá mês e meio no ano passado para perceber isso. Pode ser aborrecido dizer isto mas o grupo do Beira-Mar no ano passado era uma "merda". Havia atitude de mercenário. O profissional pode portar-se mal nisto ou naquilo mas tem que ter atitude. Afastei um jogador na última jornada do ano passado porque se estava a marimbar para o trabalho.

0 comments: