Arquivos

segunda-feira, 3 de abril de 2006

Assim, sim!

O Beira-Mar jogou "à líder" e venceu em Chaves com toda a justiça. Uma exibição convincente que ditou um resultado lisongeiro para os locais.
Depois de tantos empates e exibições "cinzentas", finalmente vi a equipa a estender-se em toda a largura do campo. Augusto Inácio mexeu no sistema táctico ao apostar em três centrais de início (Jorge Silva, Alcaraz e Marco) . Sem perder consistência defensiva, a verdade é que Ribeiro e Tininho interpretaram muito bem o modelo e subiram várias vezes pelas suas alas, criando importantes desequilíbrios junto ao sector mais recuado do Chaves. O meio-campo do Beira-Mar também esteve muito melhor. Nas linhas, os dois laterais abriam sempre linhas de passe. Diakite esteve muito mais solto e apareceu várias vezes em zona de finalização. No ataque, Roma e Jorge Leitão construiram várias avenidas no centro da defesa flaviense. Foi pena tanto desperdício de oportunidades.
Incompreensível. É assim que qualifico a atitude cobarde (para não lhe chamar outra coisa) do árbitro Bruno Paixão ao não assinalar um penalty claro (tanto para nós que estavamos na bancada como para o árbitro que estava a dois metros do lance) sobre o Roma numa altura que o marcador ainda se encontrava 0-0. O Roma ia marcar golo (era só encostar) quando foi literalmente atropelado pelo defesa do Chaves. Seria penalty e expulsão. O árbitro mandou seguir, à semelhança de uma situação que ocorreu esta época no Barreiro com o árbitro Paulo Costa. Desta vez, felizmente, a superioridade do Beira-Mar chegou para vencer o jogo...
Uma última nota nesta curta abordagem ao jogo para o Ribeiro. Mais uma boa "joga", plena de empenho e determinação em cada disputa de bola. O golo que marcou e dedicou ao Ultras Auri-Negros foi um justo prémio para quem passou boa parte da época esquecido.
Em jeito de conclusão, dois factores contribuiram decisivamente para a boa produção da equipa: Alterações tácticas e abordagem ao jogo determinada desde o apito inicial.