Arquivos

segunda-feira, 15 de maio de 2006

"O objectivo é a manutenção"

Na primeira grande entrevista de regresso à primeira Liga, o treinador do Beira-Mar decreta o silêncio em relação a questões internas, mas é frontal em tudo o resto. Desde os objectivos, que não quer "megalómanos", até aos reforços, o que o leva a criticar muitos jogadores portugueses: "Querem ganhar 2000 e depois nem 200 recebem..."

Que originou a demora na renovação do seu contrato?
Há coisas que escapam ao lugar comum do contrato, que pressupõe questões financeiras. Para mim havia coisas para discutir em termos internos, modos de funcionamento. E foi isso que demorou mais tempo.
Que temas eram esses?
São coisas internas do clube. Não vou divulgá-las. São conversas particulares entre mim e a direcção. Se a direcção quiser pode revelar, mas não é bom da minha parte revelar questões íntimas, que só dizem respeito ao clube e ao treinador.
A área da comunicação é um desses assuntos?
Estou a dizer que não falo sobre coisas internas. Essa é uma delas. Talvez não esteja a ser um bom entrevistado... Há coisas a melhorar. O relacionamento tem de ser objectivo, para evitar equívocos como no ano passado. Não devemos repetir erros já cometidos.
Falou-se do departamento médico. Há ou não incompatibilidades?
Não vou falar sobre nada disso.
As dúvidas sobre a continuidade de José Cachide tiveram influência?
Posso falar do homem e do dirigente. Tem carácter e frontalidade. Como dirigente é dos que fazem falta ao futebol. Acho que era uma perda importante.
Colocava a hipótese de sair se ele não ficasse?
São mais assuntos internos. Questões íntimas...
O seu discurso parece anunciar uma nova era...
Provavelmente será isso. Acredito que sou uma peça importante - modéstia à parte - para ajudar. A primeira Liga obriga a outro tipo de funcionamento.
Como se vai posicionar o Beira-Mar na próxima época?
O objectivo é a manutenção. Uma equipa que sobe não deve aparecer com projectos megalómanos. Os adeptos vão exigir profissionalismo, rigor e vontade. E também a manutenção. À medida que o tempo for passando, se conseguirmos atingir outras metas... melhor.
Há mecanismos para minimizar riscos?
Se a bola entrar é tudo bonito. Se não entrar, as coisas tornam-se feias. Vamos tentar melhorar o plantel e preparar bem o início de campeonato. Não posso dizer que vou ganhar os primeiros jogos. Vamos jogo a jogo, porque o futebol não tem lógica.
Qual será um bom lugar para o primeiro ano?
Se ficar na primeira divisão ficarei contente. Daqui a um mês ou dois falaremos sobre posições, depois de vermos a equipa. O meu lugar de eleição seria o primeiro, como campeão. Como isso será uma ilusão, apesar de não haver impossíveis, não se pede mais do que um campeonato tranquilo.
Por que se fala de um projecto a três anos para o Beira-Mar?
São os objectivos da direcção. Como consegue comprar uma casa de 80 mil contos quando se ganha 400 contos? É um exemplo. Os orçamentos não fazem as equipas, mas ajudam.
crédito: Jornal O Jogo por Carlos Teixeira

0 comments: