Arquivos

sábado, 14 de abril de 2007

Movimento 1922 questiona órgãos sociais

A relação do clube com os sócios, a manutenção das modalidades amadoras, a credibilidade da instituição, a sustentabilidade financeira e as parcerias são os pontos essenciais do documento entregue pelo Movimento 1922 – ano de fundação do Beira-Mar – ao presidente da Mesa da Assembleia Geral. Um documento que os promotores do Movimento elaboraram na sequência de um encontro realizado por cerca de 60 sócios, em Janeiro, como reacção à entrada da Inverfutbol na gestão do futebol.
Da reunião mantida com António Graça, os associados destacam a perda do espírito de militância e aproveitaram o momento para renovar questões sobre a localização e financiamento do centro de formação, projecto para as modalidades amadoras, acordos de permuta com a Câmara de Aveiro, protocolo de utilização do Estádio Municipal de Aveiro, construção dos campos de treino junto ao estádio, localização e financiamento do novo Pavilhão, perspectiva da Direcção quanto à viabilidade de uma SAD para o futebol, situação do Museu do Clube e data prevista para a eleição do Conselho Geral.
Frases-chave
“Entendemos que é importante cultivar uma política de proximidade entre os associados e os órgãos sociais do Clube por eles eleitos”
“O eclectismo e a formação devem ser olhados numa óptica de investimento e não de despesa”

“Recusamos que a transformação implique o asfixiamento das modalidades amadoras e o desinvestimento na formação em favor de um hipotético e efémero aumento de competitividade da equipa profissional de futebol”

“A aposta estratégica deve recair na formação de competências, contribuindo para a redução de custos a médio e longo prazo e para a identificação do clube com a sua comunidade”

”Recusamos parcerias celebradas com o intuito de disfarçar erros de gestão, num contexto de assumido desespero económico, sem qualquer perspectiva de desenvolvimento a médio e longo prazo”

“Preocupa-nos os encargos que o défice de credibilidade possa representar para as futuras gerações de dirigentes que terão de suportar o ónus da imagem do clube estar associada à prática de factos que não dignificam os seus agentes”
in jornal O Jogo

4 comments:

BM - Bruno Martins disse...

Para quem (ainda) está indeciso em ir apoiar o Beira-Mar até à cidade de Setúbal.
Aqui deixo um link que poderá tirar todas as dúvidas:
http://www.setubalonline.com/vfc/images/wallpapers/wall8.jpg
Eu vou ver......! :)

BM - Bruno Martins disse...

Em relação ao post, o órgão de comunicação social que divulga a actividade do M1922 está de parabéns... No entanto não deixará de ser curioso no facto de o próprio jornal permenorizar o artigo, ao ponto de rotular determinado parágrafo com "Frases-chave". Será uma espécie de ensino?! humm..

Anónimo disse...

E criar um departamento que ouvisse sugestões dos adeptos ou não-adeptos sobre a vida do clube, até sugestões económicas e depois estudar a viabilidade de cada proposta e apresentá-la á direcção. No entanto esta espécie de forum de desenvolvimento só funciona em clubes não-ditatoriais onde não funcione o "eu é que sei!"

Anónimo disse...

O que se passou realmente com o placard no jogo com o Setúbal cá em Aveiro? Andei a dar uma espreitadela pelo fórum deles e... :S
http://www.forumvfc.com/viewtopic.php?t=3730

Não dizem coisas lá muito simpáticas sobre nós...ai, o nível!
http://www.forumvfc.com/viewtopic.php?t=4689
BEEEEIIIIRAAAAA!!!