Arquivos

domingo, 8 de março de 2009

Inaceitável!!!

Custa-me, particularmente, escrever sobre um jogo cujo desfecho final foi completamente desvirtuado por uma decisão inaceitável do árbitro auxiliar. Num encontro marcado pelo equilíbrio, qualquer desatenção poderia ditar a derrota de uma das equipas. O Beira-Mar, sobretudo na segunda parte, carregou sobre o Vizela e procurou forçar o erro do adversário. Numa altura em que já dominava a partida, o Beira-Mar obtém um golo limpo, por intermédio de Artur. Para espanto geral, o golo foi anulado!!! Uma decisão incrível do árbitro assistente... Eu, que estava pior colocado para avaliar, não tive qualquer dúvida sobre a regularidade do lance. O Artur estava claramente atrás do defesa, conseguindo antecipar-se no momento da finalização. Limpinho! A FIFA recomenda, expressamente, que em caso de dúvida, os árbitros beneficiem a equipa que ataca. Como é possível que o árbitro auxiliar não tenha tido dúvidas sobre a irregularidade dum lance perfeitamente regular? Se alguém me conseguir explicar isto, eu agradeço.
Gostava de escrever sobre as comemorações do Dia Internacional da Mulher, do record de assistência da Liga Vitalis esta época, do excelente ambiente no estádio, das homenagens, etc... mas fica para amanhã. Hoje estou amargurado e revoltado.

16 comments:

Anónimo disse...

Como canta o Chico Buarque "foi bonita a festa, pá", pena não termos conseguido a almejada vitória...penso que agora é hora de planear a próxima época, "with a litlle help" de todos.
Abraço ao Nuno.

Nuno Q. Martins disse...

Retribuo o abraço a quem?

pn disse...

Este árbitro (Marco Ferreira) é demasiado fraquinho: apita por tudo e por nada, tem uma dualidade de critérios irritante e o golo anulado ao Beira Mar é escandaloso. Foi bonito ver hoje aquele topo norte cheio. Foi bonito ver as 4000 pessoas no estádio a cantar e a bater palmas pelo clube. É a prova que se puxarmos pelas pessoas o regionalismo Aveirense vem ao de cima. AVEIRO E BEIRA MAR SEMPRE!!!!

Anónimo disse...

Como previa a Bancada Nascente nem abriu - somos pobres e pequenos, contentamo-nos com pouco! Faz-se "alarido" por haver mais 1500 pessoas (à borla) do que o habitual? Pronto, tá bem.
Não me apercebi(?) da publicitação(?) do jogo como deveria ser e, colocar a "fasquia" tão alta...
Esqueceram-se que havia Procissão dos Passos do Senhor e que os resultados anteriores não ajudam? Quanto à publicidade ao jogo, só os vouchers é muito pouco.
Pró ano há mais ... dia da Mulher.
Força Beira.
Sr Litério

Nuno Q. Martins disse...

Sr. Litério

Está, desde já, convidado para colaborar com a Comissão Administrativa do SC Beira-Mar na realização do próximo evento. Caso esteja disponível, envie-me um e-mail para entrarmos em contacto: bancadanorte@sapo.pt

Obrigado.

Anónimo disse...

Não sou publicitário nem marketeer(?), por isso só faço constatações, em especial aos objectivos projectados; assim como é fácil criticar para quem está de fora e eu fi-lo, também "chutar" para fora não é menos fácil, isto é, "venha fazer melhor".
Temos que aceitar as críticas quando construtivas e só assim venceremos e como disse o outro - "sim, conseguiremos"- tradução livre.
Sr Litério

Anónimo disse...

Meu caro Litério, a critica construtiva é ajudar com soluções quem trabalha com o objectivo de fazer melhor. O seu comentário apenas tem uma consequência, fazer convencer quem se empenhou em fazer mais e melhor, apesar da crise, que não vale a pena. Eu acho que valeu, continuarei a incentivar para que se faça melhor, tenho pena de não ter tempo para ajudar, mas vou conseguindo algum prra incentivar, gostei, gostei mesmo do que passou no domingo no estádio.

Anónimo disse...

Maior cego, não é aquele que não vê ... é aquele que não quer ver - diz o povo.
Sr Litério

Anónimo disse...

o arbitro não pode marcar pelo clube. uma equipa que não justifica durante 90 mn um remate à baliza, quer subir como?

Soares de Castro disse...

Debaixo do guarda-chuva do direito à crítica, "litérios", quer dizer, bota-abaixos,é o que mais há por aí, mas quando são solicitados a colaborar e pôr em práctica as suas brilhantes ideias, tá quieto...chutam pra canto, até à próxima sessão do bota-abaixo. E ao seu sagrado direito a criticar quem FAZ o melhor que pode e sabe...Litérios de todos os clubes, estou farto deles...

Nuno Q. Martins disse...

Sr. Litério,

Quando o incentivei, no meu último comentário, a colaborar com a CA do Beira-Mar, não estava a ser irónico. O clube precisa da ajuda de todos aqueles que possam dispensar algum do seu tempo a pensar e a executar iniciativas que promovam o clube e os seus fins. Estou certo que, com o seu sentido crítico, poderá dar um contributo muito válido junto das pessoas que se têm esforçado por fazer alguma coisa. E olhe que são pessoas comuns, com ocupações profissionais muito diferentes, mas que têm em comum a vontade de ajudar o clube e, nas suas agendas, arranjam um bocadinho para ajudar o clube.
Por isso, Sr. Litério, não se acomode. Venha daí ajudar-nos. Todos, desde que empenhados, são bem-vindos. E olhe que todos somos poucos num clube que não tem dinheiro para contratar profissionais. Por isso, com amadorismo, é certo, tentamos dar o melhor de nós. Sempre é preferível ir fazendo alguma coisa e ir arranjando alguns euritos para as despesas, do que não se fazer nada e deixar o clube mais endividado e sem base social de apoio.

Pense nisso.

Anónimo disse...

O debate, se assim lhe podemos chamar entre o Nuno Quintaneiro Martins (NQM) e o Sr. Litério (L) deixa-me perplexo! Desde já discordo com o L quando diz que +1500 à borla não é feito algum. É criando hábitos de ir à bola que se fazem as assistências futuras. Isso e os resultados desportivos porque certamente se estivéssemos a 2 – 3 pontos do lugar de subida, a assistência seria o dobro (pagantes e não pagantes).
Mas, peço desculpa, NQM que é colaborador do clube, mas não membro da Comissão Administrativa não tem (ou não deveria ter) poderes para convidar quem quer que seja para organizar ou ajudar a organizar um evento do clube. E aqui, tem radicado o principal reparo a fazer à presente Comissão Administrativa (à qual estou imensamente grato por ter assumido os destinos do clube na situação em que o fez), é que parece que as portas estão sempre abertas a quem quer que seja, com carta-branca, para decidir sobre assuntos que só àquele órgão colegial diz respeito. È que além de delegações de competência a mais há competências para subdelegar. È o milagre da multiplicação dos cooperantes o que põe o clube a um passo da anarquia.
Parece que este facto já esteve presente no caso Ricardo Sousa de triste memória e com a vitória dos alegados cooperantes naquele caso tem-se vindo a agravar. Não vos passa pela cabeça que entre as pessoas arrebanhadas portas adentro, possa haver submarinos de outros clubes que sabendo do facto o aproveitem para desestabilizar?
Um abraço:
João Santos

Anónimo disse...

Nuno: Qualquer adepto de um outro clube pode vir cá comentar e mandar uns bitaites, tal como o Sr. João Santos refere, algumas pessoas podem ser "submarinos" infiltrados nesta rede de comments.
Se o tal Sr. "Litério", pseudónimo (ou não), não está receptivo para participar ou conversar, como penso que qualquer Beiramarense está, é porque esse Sr. um submarino!
Heheh :)

Nuno Q. Martins disse...

Caro João Santos,

Anarquia? Caso Ricardo Sousa?
Enfim... desculpe-me, mas não tem a mínima noção do que se passa no clube, nem tem a noção da solidariedade que existe entre a Comissão Administrativa e os seus colaboradores. Só alguém de fora, desinformado ou mal intencionado, pode insinuar o que o senhor insinuou no seu comentário.
Quanto ao repto que lancei ao Sr. Litério, se for realmente um "submarino doutro clube", estou certo que nunca responderá ao meu repto nem nunca dará a cara...

Na situação que o clube está, todos os sócios que queiram ajudar são bem-vindos e esse é o verdadeiro espírito cooperante que está na raíz do movimento associativo que está na origem do surgimento dos clubes.

Cumprimentos.

Anónimo disse...

Portanto quanto ao essencial da minha mensagem. O Beira-mar é hoje um clube de porta aberta. Quem quer entra quem não quer não entra! Obrigado pelo esclarecimento.
Quanto ao caso Ricardo Sousa. Das suas palavras (e ao contrário de si que duvida das minhas boas intensões, eu não duvido das suas) se nada teve a ver com colaboradores (em excesso)emita muito bem.
Uma das coisas que me agradava nas antigas direcções do Engº Mano Nunes é que elas falavam em uníssono, como um harmónio e infelismente não vejo tal na actual comissão administrativa.
Perdoe-me o desabafo.
cumprimentos
João Santos

Nuno Q. Martins disse...

Caro João Santos,

Efectivamente, o SC Beira-Mar é um clube de "porta aberta". Quem vier por bem, é bem vindo. Se alguém vier por mal, acredite, nem sequer chega a entrar pela simples razão que a dinâmica instalada automaticamente exclui aquelas pessoas que se tentam aproveitar do clube para algo. É que colaborar com o clube, implica um conjunto de sacrifícios pessoais que só quem gosta muito do clube está disponível para suportá-los. Fico feliz por ter compreendido a minha mensagem e por ter percebido a filosofia que norteia esta Comissão Administrativa. O objectivo é tornar o SC Beira-Mar, cada vez mais, um clube dinâmico e com muitas pessoas a colaborarem na sua estrutura. E não se preocupe com a "anarquia", porque esta CA continua a liderar e a supervisionar as actividades que envolvem e que implicam o clube. Se o meu caro abordar directamente as pessoas que trabalham nos diferentes departamentos e secções do clube, estou certo que elas serão as primeiras a reconhecer que não têm memória duma direcção (neste caso, CA) que se envolvesse tanto em todas as vertentes do clube. E olhe que estamos a falar duma CA que tem apenas 5 elementos (se fosse uma direcção teria 7) e que assumiu os destinos do clube sem um projecto e sem recursos para o implementar. Não fossem os muitos (felizmente!) colaboradores voluntários que o clube tem e a máquina não funcionava. Daí a minha indignação perante a leviandade do seu comentário.

Relativamente ao Ricardo Sousa, não vou tecer comentários. É um assunto encerrado por parte do SCBM e do próprio, mas nada "teve a ver com colaboradores em excesso".

Para finalizar, peço-lhe que fundamente ou que demonstre um ou dois exemplos práticos em que esta CA não tenha falado em uníssono.

Obrigado.

Cumprimentos.