Arquivos

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A questão da sustentabilidade

Estão aí as eleições autárquicas, e diz-se que muito do futuro do Beira-Mar pode depender de quem vencer as mesmas. De um lado a actual coligação PSD/CDS, do outro o PS. Prefiro de momento abster-me de qualquer consideração partidária. Parece-me mais relevante que o clube reflita se uma instituição quase centenária tem necessidade de chegar a este ponto...

Muito se tem falado sobre a promiscuidade entre política e o futebol. Parece-me evidente que acaba por ser sempre o clube que sai a perder, embora por culpa própria. O Beira-Mar em quase 100 anos nunca conseguiu acautelar o seu futuro. A palavra sustentabilidade é um chavão sem qualquer significado no clube, bem comum aliás à forma de gestão da grande maioria das instituições desportivas em Portugal.

Num cenário de vazio directivo, parece consensual a ideia de ser muito difícil, senão mesmo impossível, conseguir aguentar a dimensão do barco. Pergunto eu, de uma forma se calhar inocente: será mesmo necessário ter um barco desta dimensão? É evidente que a grandeza do nome Beira-Mar muito deriva do histórico do clube nas primeiras divisões de futebol. Dos clássicos disputados no velhinho Mário Duarte, ou da histórica Taça de Portugal conquistada. Não o ignoro, e é uma parte integrante das minhas recordações de criança. Mas no fundo, todos esses títulos são efémeros se o clube acabar de hoje para amanhã. Quero com isto dizer que em nada me chocaria a ideia do Beira-Mar dar dois passos atrás, para poder dar um passo sólido para a frente. Se não temos capacidade financeira (sustentável, e não fictícia) de estar numa Liga de Honra, que estejamos numa 2ª B ou numa 3ª divisão. Mas que o Beira-Mar viva de acordo com as suas possibilidades. Acima de tudo, que o Beira-Mar viva.

Vivemos numa altura onde parece que tudo e todos vivem acima daquilo que podem. O Estado, as autarquias, os clubes e, até, as pessoas. Algum dia isto tem que acabar. Infelizmente acaba sempre da pior maneira, ou seja, chegamos a um ponto onde já nenhum milagre permite encobrir tantos erros cometidos durante décadas. Sempre achei particular piada às soluções que eram avançadas para as crises que o clube foi atravessando: acabem as modalidades amadoras, acabem com a academia, acabe-se tudo menos aquilo que realmente colocou o clube na terrível situação que hoje se vive: o futebol profissional. A quantidade de jogadores comprados, de treinadores despedidos, a riqueza que o Beira-Mar não teria nos dias de hoje! Numa altura em que podemos estar a viver uma das piores crises de sempre, que se ataque o problema na sua origem. Com coragem, com os pés bem assentes no chão.

Por razões diversas tenho acompanhado ultimamente o clube em duas vertentes distintas: a academia de futebol, e as modalidades amadoras. Quanto à academia só posso dizer bem do trabalho que ali é realizado, com condições de clube de distritais (ou piores!). É uma sensação fabulosa ver uma equipa de miudos jogar com o símbolo do Beira-Mar ao peito, festejar os golos não pelo prémio de jogo que aí vem, mas pelo simples facto de ser o seu clube (ainda na passada semana os juvenis deram 4 à Académica!). Que se aposte nesta rapaziada de qualidade, e que se lançem os jogadores! Há clubes em todo o mundo (e até em Portugal) sedentos em gastar milhões em jovens com potencial! Já nas modalidades amadoras destaco o ecletismo que se ganha, a quantidade de pessoas que giram à volta de um clube e, claro, a formação desportiva e humana de tantos e tantos jovens. Que ninguém duvide que, sendo estes jovens bem tratados, teremos no futuro muitos milhares de sócios garantidos. No meio disto tudo, deixo a pergunta: será o futebol profissional a qualquer custo algo de tão imprescindível? Que surja uma nova vaga na mentalidade do dirigismo desportivo em Portugal. O clube que começar primeiro terá muito a ganhar.

15 comments:

Anónimo disse...

Concordo com o Francisco, é preciso uma nova era, mais racional e menos emocional, na gestão do futebol profissional. O que me preocupa e acho um exagero é que o futuro do SC Beira-Mar dependa das eleições para a Autarquia. Até porque a actual CMAveiro tem procurado resolver o incumprimento com o Beira e sabemos quem é que, ao longo do tempo, e com diferentes presidentes dos nosso Clube, tem procurado boicotar o processo de regularização das contas e arrecadar hipotéticos benefícios eleitorais. O futuro do Beira-Mar não depende de outra condição essencial que não a de ter e encontrar interlocutores que o defendam dos seus agressores, que o minam a partir de fora e que não respeitam o enorme esforço que muitos fazem, generosa e dedicadamente, para servir a instituição.

Anónimo disse...

Bom texto.
Concordo com tudo o que foi escrito.
Mas os dirigentes não pensam assim...

Anónimo disse...

bom concordo com muito do que foi, aqui dito. mas acabar com o k da dinheiro nao é soluçao. a verdade é k td tem de ser bem gerido. se o futebol profissional acabar o valor dos patrocinios dados tb baixa, acabando com uma importante fonte de rendimento(axo eu). porem estabelecendo um tecto salarial sereno e dentro das limitaçoes, e sendo esse cumprido na intergra. mantendo o plantel de uma epoca para a outra se grandes mudanças, é possivel... o beira deu 6 anos consecutivos lucro, na 1a passagem do mano nunes, será que é assim tao ingovernavel?! gente competente e k trabalhe, nem k se contrate um gestor profficional, para k se possa dedicar em exclusivo ao clube.
Axo que por em causa qualquer modalidade ou mesmo o futebol nao,é soluçao... Mas isto é somente a minha opiniao.

Francisco Dias disse...

Em relação ao último comentário, posso concordar com a ideia geral do texto. É óbvio que ao sair de uma liga de honra, o Beira-Mar perderia grande parte das suas receitas. Por outro lado, teria uma imensa redução nas suas despesas. Se o Beira-Mar deu lucro em 6 anos seguidos? Bem, não sei se lucro será ser o termo mais correcto. Eventualmente a venda de jogadores pode sempre compensar o défice estrutural implicado a cada época desportiva. Mas a venda de jogadores é, para mim, uma receita extraordinária, que ninguém consegue prever quando irá ocorrer, nem por que valores.

A verdade é que hoje o Beira-Mar é um clube desiquilibrado, com o futebol profissional a ser altamente prejudicial. Colocar a vida do clube em causa por causa disto, não me parece bem.

Cumprimentos.

Anónimo disse...

Como é possivél tanto lirismo...ou será antes os donos das quintas do Beira a defender as suas. Será que o Francisco Dias não sabe quanto custa o pavilhão? Aonde é que iria arranjar dinheiro só para o manter a laborar, vamo-nos deixar de "visões" e ter a consciência de que o Clube acaba sem o futebol que é este que tem alimentado tudo.
É frustante ver uma pessoa que tem obrigação de conhecer o Clube, defender o indefensável, assim e com mentalidades destas pessoas que poderiam ser o futuro do Beira-Mar, pela qualidade que têm, não vamos a lado nenhum. Acabe-se com a peçonha.
O Beira-Mar nunca vai erguer-se, só mesmo o seu óbito.
Quem diria..!

Anónimo disse...

Parabens.
Ainda há pessoas a pensar o desporto e isso é importante, estou farto dos que usam apenas o desporto/instituições como arma de arremesso.
É fundamental uma nova vaga de dirigentes, mesmo que conjuntamente com quem já teve experiencia nesta area.

Francisco Dias disse...

Relativamente ao comentário do anónimo das 16h46: eu não defendo o fim do futebol. Digo que, caso seja insustentável ter um clube numa divisão profissional, que se dê um passo atrás, tendo sempre em vista conseguir chegar lá de uma forma sustentada.

Quanto às contas do Pavilhão é outro ponto interessante, que por ser matéria do foro interno não me gostaria de alargar. Apenas gostaria de lhe pedir, já que se encontra tão bem informado, do valor do subsídio da Câmara que as modalidades amadoras têm direito pela formação de atletas. Depois fazemos contas. Que eu saiba o Galitos tem um pavilhão a funcionar sem ter uma equipa de futebol profissional.

Por fim, e em relação ao "lirismo", esse foi precisamente um dos adejctivos que me colocaram quando em 2004 defendi a demolição do actual Estádio Municipal. Se calhar feitas hoje as contas ao que a Câmara e o Clube já perderam, chegamos à conclusão que teria sido a melhor decisão. Lirismo é querer viver sem recursos para se sustentar. E não me diga que é o futebol profissional que põe o pavilhão a funcionar, que essa não cola.

PS: Não percebo o porquê de não se identificarem. Independentemente de se concordar ou não com as opiniões aqui expressadas, julgo que contribuiria para um diálogo mais proficuo.

Cumprimentos a todos.

Mau Feitio disse...

Apesar do belo texto...não sei até que ponto passa por aí o caminho!!Vejamos, o Beira Mar na 2ªliga perdeu quanto socios? 6mil? 7mil? imaginemos na 2B ou mesmo na 3ª!! apesar de baixas, as receita dos socios sao receitas. Será melhor descer do que apostar o que resta numa subida bastante dificil??e aí assim arranjar alguem que consiga gerir o Beira em condições?? todos sabemos que a CMA e o novo estádio são o principio desde buraco...mas não podemos mudar de cidade nem (infelizmente) vender o estádio. Será assim tão dificil o estadio dar lucro??~como o rentabilizar? e o Basket? CNB1? quem paga?? Aveiro continua a ser pequeno demais para tanto basket e tantos mini clubes!

Anónimo disse...

O Beira-Mar está à procura de direcção e de novos projectos. A porta está aberta, sábado há uma Assembleia Geral para eleger uma nova Comissão Administrativa. De que esperam para avançar? Falar não chega, é preciso fazer...

R.V.

Anónimo disse...

A situação é critica, mas o clube e passando por cima dos créditos dos Cachides&Campany é perfeitamente gerivel.

Anónimo disse...

Admirei a persistência e a determinação do Movimento 1922 no mandato liderado por Artur Filipe. Houve pedido de Assembleias Gerais, houve tertúlias, para que se soubesse TUDO da vida do Beira-Mar. A verdade não podia ficar escondida.
Agora estamos em vésperas de Assembleia Geral. Será que vai ser dito TUDO sobre o momento do Beira-Mar? Será que se vai divulgar o motivo por que Manuel Madail cortou relações com Mano Nunes? Será que se vai divulgar o mistério do 2º cheque de pagamento do terreno das piscinas? Será que ficaremos a saber quantas e quais as pessoas assinaram o tal cheque que a Câmara não pode levantar? Saber-se-á o EXACTO motivo porque é pedida a demissão da Comissão Administrativa?
Ou "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades"?
Esconder as VERDADES de agora será bom para o futuro do Beira-Mar? Julgo haver por aí ÍDOLOS COM PÉS DE BARRO!!!!!!!

Anónimo disse...

tanta léria e uma modalidade histórica do clube já foi a vida! pela 3ª vez!

parabéns Beira-Mar pelo ridiculo!

Carlos Alberto

Anónimo disse...

O Beira mar tem as modalidades que os seus sócios quiserem!
Organizem-se e ninguem vos negará a modalidade que mais desejam, se algumas morrem é porque os seus entusiastas deixaram de o ser.
Qual é a direcção que não gostava de ter todas as modalidades?
Ficar no sofá e esperar que elas apareçam é impossivel.

Anónimo disse...

Viseu (Académico de Viseu), Faro (Farense), Barreiro (Barreirense), Évora (Juventue e Lusitano) - são precisos mais exemplos???? Cidades em nada inferiores a Aveiro que não tendo capacidade para sustentar projectos megalómanos de Clubes na I Divisão, em que os candidatos a directores apenas querem lá ir sacar o deles, fizeram marcha-atrás e têm projectos dignos, à dimensão das respectivas possibilidades, Não consta que alguém tenha morrido por isso ou as cidades em causa tenham sido prejudicadas. Enquanto o BM não tiver coragem para assumir essa sua real dimensão, será sempre uma mentira. Uma mentra em que os recursos canalizados para o futebol além de não chegarem impedirão outras modalidades de se desenvolverem.

Anónimo disse...

K SE "ALAVANTE" O GRANDE BEIRA MAR
ABAIXO DIRECÇÕES E COMISSÕES FANTASMAS. TODOS AO TRABALHO K O TEMPO É DE CRISE.
FORA DOS GABINETES ESTÁ A SOLUÇÃO, VAMOS A SER HUMILDES E A BATER À PORTA DE QUEM POR VEZES É MAIS HUMILDE DE QUEM PEDE. BASTA K AS PESSOAS CERTAS ESEJAM DISPONÍVEIS PARA O FAZER.
NA ÚLTIMA ASSEMBLEIA ALGUÉM ESTEVE LÁ PERTO, MAS É PRECISO MUITO MAIS
QUE PALAVRAS.
O BEIRA NÃO PODE ACABAR PARA BEM DO MEU E MUITOS EGOS K POR AQUI ANDAM.
UMA ABRAÇO A TODOS
DM