Arquivos

domingo, 31 de janeiro de 2010

Sempre candidatos

"Quero uma equipa unida e de profissionais solidários", afirmou o eng. Mano Nunes ao "Suplemento Beira-Mar" do dia 22 de Maio de 2009. Entrevistado por Alexandre Silva, o presidente da anterior Comissão Administrativa dava o mote para a época que se avizinhava. E como não é homem "de palavras", mas de palavra, agiu. O resultado está à vista. Temos uma equipa de futebol que dignifica o emblema e fortalece, a cada dia que passa, o nosso orgulho beiramarense.
Aconteça o que acontecer até final do campeonato ( eu acredito num desfecho glorioso), não devemos poupar elogios aos nossos profissionais. Apesar dos momentos complicados que viveram, nunca deixaram de respeitar o emblema. Dignos, combativos, evitaram que interesses pessoais se sobreposessem ao colectivo.
Leonardo Jardim, a par da grande qualidade técnica, soube ser líder nas situações mais complexas. Competente, organizado, ambicioso, disciplinado e disciplinador, o treinador madeirense tem todas as condições para trabalhar seja em que clube for. Dentro de quatro anos ( meta por si estabelecida), estará, com certeza, à frente de uma equipa com grande dimensão.
Inteligente, Jardim, procura retirar pressão ao seu grupo de trabalho, afastando qualquer tipo de "candidatura" que não seja a de vencer o jogo seguinte. Mas ele sabe, tal como nós, que o SC Beira-Mar não sobrevive a muitos anos de liga secundária. E compreende que, esta temporada, pode ser decisiva.
O nosso clube não precisa de assumir-se como candidato. O seu nome, a sua história são, por si só, suficientes. Quem enverga a camisola "auri-negra" sabe ( e os jogadores sabem. E têm-no provado em campo!) que o lugar do SC Beira-Mar é a divisão principal do futebol português. Não é por acaso que, mesmo em anos maus sob o ponto de vista desportivo ( como na época passada), os adversários encarem os jogos com a equipa aveirense com cuidado e motivação especial. E também não é por acaso que a generalidade das equipas tenham mais público quando recebem a formação beiramarense. Não são as camisolas que jogam, são os jogadores, é verdade, mas o carisma do SC Beira-Mar, construído ao longo de 88 anos, imortalizou-se.
Tudo pode acontecer, o futebol é fértil em surpresas. Mas estou absolutamente convencido de que, com o nosso apoio, este treinador e estes jogadores vão recolocar-nos no escalão de que nos afastaram de forma pouco séria. Não esqueço das arbitragens com Leiria, Naval, Benfica, Paços de Ferreira e Académica no ano em que descemos. Fomos empurrados para a divisão secundária.
Felizmente temos uma equipa " à Beira-Mar". À beira de um sonho tão importante que pode ser a fronteira entre o morrer e o viver.

4 comments:

Anónimo disse...

Bem visto.

Anónimo disse...

Boa Jorge.

Carlos Gabriel disse...

Depois de um inicio de época em que o Beira-Mar parecia moribundo, quer pelas dificuldades a nível de corpos dirigentes, quer pelos maus resultados nos jogos de preparação e nas duas primeiras jornadas, talvez os nossos adversários, e a maior parte dos aveirenses, não esperassem esta excelente prestação da nossa equipa.
Agora, com todos holofotes a apontar ao Beira-Mar, no que a Liga Vitalis diz respeito, por certo teremos uma 2ª volta ainda mais dificil mas, felizmente, com mais estabilidade. O nome Beira-Mar volta a impor respeito e todos querem derrotar o lider, além do mais, ainda há sempre que temer algumas movimentações fora das quatro linhas e que servem interessses, sabe-se lá de quem...

Anónimo disse...

só é pena q para ter esta equipa teve-se que fechar uma piscina, deixa-la ao abandono, despedir funcionários, deixa-los em enormes dificuldades...

mas o que interessa são os pobrezitos dos jogadores da bola!

so espero que o nosso beira suba... mas que saiba precaver o futuro, em vez de viver "a grande e a francesa" e dps s as coisas correrem mal, la vamos nós outra vez a correr atras da CMAvr.

António Garcia