Arquivos

sábado, 8 de março de 2008

Tertúlia positiva

Ontem, no Teatro Aveirense, realizou-se mais uma Tertúlia Beiramarense promovida pelo Movimento 1922. Num ambiente descontraído, sem formalidades, a conversa decorreu naturalmente, com especial incidência na temática proposta: o futuro directivo do clube.
Uma ideia pareceu-me que foi consensual. Esta direcção do Beira-Mar foi um péssimo exemplo do que deve ser o dirigismo e do mandato destes órgãos sociais se devem retirar as devidas aprendizagens de "como não se deve fazer". No entanto, importa pensar o futuro do clube com alguma tranquilidade que não se coaduna com o clima de crispação que a colectividade tem vivido.
Ao contrário do que tem sido ventilado nalguma imprensa, não creio que existam actualmente sócios interessados em ser candidatos. Uma coisa é afirmar-se que qualquer Beiramarense gostaria de ser presidente do clube, outra, é estar em condições de efectivamente o ser. O dirigismo ocupa muito tempo e a vida das pessoas não permite dedicarem-se ao associativismo como gostariam. Daí, também, a importância do clube colocar no topo das suas prioridades a criação de uma estrutura profissional para a sua gestão.
Quanto a candidaturas, será difícil surgir alguma candidatura no contexto que se conhece. Na minha óptica, o Conselho Geral do clube, ao viabilizar a data de 12 de Abril para a realização das eleições condicionou o aparecimento de eventuais projectos alternativos. A dívida à Inverfutbol (cerca de 400 mil euros), a qual terá que ser paga até ao fim do mês de Abril, constitui um sério entrave a possíveis candidatos. Neste cenário, só mesmo as pessoas que têm capacidade financeira e património pessoal empenhado no clube conseguem encontrar motivação para se atravessarem.
Já o disse publicamente que gostaria de ver o Eng. Mano Nunes a assumir uma candidatura, com uma lista que aglutinasse uma mescla de experiência e juventude. Só assim valeria a pena um "projecto de sacrifício" que visasse a perspectiva de uma linha de continuidade.
No entanto, entendo que depois de ter dedicado mais de uma década da sua vida ao clube e ter sido um dos responsáveis pela recuperação financeira e desportiva do clube, é difícil pedir mais ao Eng. Mano Nunes e às pessoas que o apoiaram e acompanharam, sobretudo, quando me lembro do clima de ingratidão generalizado por parte dos sócios aquando da sua saída que, e nunca é demais relembrar, ocorreu por sua iniciativa cumprindo com a palavra que assumiu perante os sócios.
Volvidos três anos, hoje admiro ainda mais o Eng. Mano Nunes. Além do trabalho meritório que desenvolveu no clube, honrou o seu compromisso com os sócios. Já o mesmo não posso dizer dos actuais órgãos sociais que comprometeram-se a deixar o clube financeiramente, pelo menos, como o encontraram... Com tal promessa conseguiram que os sócios viabilizassem os relatórios de contas, acreditando que a direcção, ao afirmar com tanta convicção aquelas palavras (estão em Acta!), se responsabilizava pelas sucessivas asneiras cometidas. Afinal, era tudo mentira. De clube estável, elogiado pela sua gestão equilibrada, em apenas 3 anos o Beira-Mar tornou-se no antípoda.
Entendo o desejo legítimo dos elementos da actual direcção reaverem o dinheiro que empenharam no clube. No entanto, o apelo que lhes faço é que assumam os erros cometidos e dêm uma oportunidade a quem se proponha a fazer melhor. O primeiro passo será assumir o pagamento da tranche à Inverfutbol em Abril e disponibilizarem-se, publicamente, para negociarem os seus créditos com uma eventual nova direcção que possa vir a ser eleita.
Uma vez assumidos estes compromissos, então sim fará sentido discutir candidaturas responsáveis.
Pela parte do Movimento 1922, fica a certeza de que os sócios terão sempre neste movimento um fórum de discussão e intervenção na vida do clube independente de qualquer direcção.
-
P.S.- Hoje, pelas 16:25, passará um compacto com alguns dos melhores momentos da Tertúlia na Rádio Terranova (105.0). Também disponível online.

14 comments:

Sócio anónimo disse...

Discordo totalmente da afirmação de clima de ingratidão generalizado referente ao anterior presidente Engº Mano Nunes. Há muita gente no clube, seguramente a grande maioria, que reconhece quão importante e positiva foi a sua passagem pelo Beira Mar. A experiência menos feliz da Stellar Group ou uma decisão ou outra menos bem conseguida são consequências mínimas numa gestão que entre tantas medidas acertadas também correu o inevitável risco de falhar. Nem vale a pena lembrar como estava o clube quando o Engº Mano Nunes começou e como ficou quando saiu. Assim pudéssemos dizer o mesmo da actual direcção. Mas não podemos, infelizmente.

Anónimo disse...

Olá!
O meu comentário estava pouco relacionado com o post, mas cá vai na mesma!!
Hj, fui assistir no alboi mais um jogo do beira-mar, apesar de a equipa ser fraca e o treinador muito mais, mas opiniões à parte, hj o beiar foi redondamente ROUBADO por dois senhores vestidos de preto, penso já não haver respeito pela instituição BEIRA-MAR, é k foi um acoisa por demais e dps claro k há revolta. Os melhores cumprimentos.

Zé Paulo Antunes

Anónimo disse...

Ó Nuno, ouvir o cachide para quê?

Por Deus, é melhor escutar um pobre remendado, do que um rico sem escrúpulos.

Ele realmente só se interessa agora por o Beira-Mar, porque lá tem dinheiro, mas já ameaçou os colegas de direcção que ele iria pagar tanto como os outros e vai mover uma acção judicial a cada um que assinou a garantia de 1 milhão de euros. Ele paga, mas os outros vão ter que lhe pagar.

O Movimento 1922, fez tanto barulho e agora sem alternativas, vira-se para quem não deve.

Sobre o teu post, depois do que li na Terra Nova já não sei que dizer, mas apesar de não pensar que o Mano ainda seja solução, prefiro-o, pois é honesto e gosta do Clube.
XPTO.

Há..! Conheço os dois, trabalhei com eles e sei bem a diferença.

Anónimo disse...

Segundo o Desporto de Aveiro, se não aparecer ninguém, o MANO NUNES poderá candidatar-se, pois diz que "não é homem para ficar indiferente ao desmantelamento do Clube".Fonte segura, disse-me que o Mano já tem uma lista preparada, tendo no seu elenco três jovens, sendo um deles o Nuno Quintaneiro(dono deste blogue), outro nome seguro é o do Eng. Alberto Roque como Presidente Adjunto e Manuel Madail como Presidente da A.G.

A ser verdade, já podemos começar a dormir descansados, estes nomes são o máximo.

VIVA O BEIRA-MAR!

Anónimo disse...

Boas Nuno,

Também acho que ouvir o Cachide é uma perda de tempo. Achas legitimo "quem lá tem o dinheiro querer recuperá-lo", eu também, mas....

- porque está lá tanto dinheiro?só porque a camara não pagou?

penso que a divida da camara contribui, mas o maior problema foi a má gestão por parte desta direcção onde o sr. cachide estava incluido(conta os jogadores que entraram e sairam ao longo deste mandato) e agora o clube (socios) tem que aguentar este sr. só porque houve má gestão no clube e porque quer recuperar o dinheiro dele?

- Quando tomaram conta do clube a camara já não cumpria, no entanto o clube não estava no estado em que está , apreceram duas listas a eleições e agora? nimguém quer o clube.Porquê, por ter sido bem gerido?

- estes senhores devem ser responsabilizados pela má gestão, e se algum dinheiro tem a receber, devem-no receber quado o clube estiver novamente equilibrado e que lhes possa pagar. Eles que assumam as responsabilidades das dividas a espanhois, treinadores despedidos (indemnizações por pagar)etc. que foi um acto de má gestão no seu reinado.

Julgo que se deve arranjar soluções para um novo futuro directivo no BEIRA.

O NOSSO CLUBE MERECE MELHOR QUE ESTES srs QUE ESTÂO LÁ

Manuel Trindade

Anónimo disse...

O Mano ter lista é falso. Quem tem lista é o Cachide! Anda muita contra noticia no ar. PLANTEL DOIS MESES DE ATRASO. A Bola tem noticia disso e fala em revolta e medidas dos jogadors para a semana.

PSS

Anónimo disse...

O Beiramar prepara-se para atravessar a curto prazo uma das suas maiores crises.
Os salários em atraso, sendo grave é uma gota no oceano.
Esta direcção delapidou o clube.
Rui

Anónimo disse...

Pelo que vi, constacto que esta reunião foi um falhanço.
O M1922 que teve uma origem expontanea e verdadeira facilmente se modificou e se tranformou num movimento de apoio a uma candidatura.
A excessiva colagem a um potativo candidato transformou este movimento e cuja consequencia evidente foi o afastamento das pessoas

Anónimo disse...

Cachide vai avançar. Já há recolha de assinaturas.

Daniel disse...

Sobre o post e seus comentarios, deixo aqui algumas notas sobre algumas passagens.

Claro que o que importa e' pensar o futuro e tentar esquecer este descalabro de direccao, mas o futuro esta' muito negro. Nao vejo grandes saidas para o clube que nao passem por mais uns anos de mecenato. Ha' uns anos havia condicoes para profissionalizar a estrutura do clube e optou-se por parcerias, por contratar treinadores e jogadores 'as arrobas (com comissoes e indemnizacoes estupidamente altas) e implementar/manter medidas que reduziram drasticamente os proveitos: neste aspecto destaco a reducao de investimento em prospeccao nacional e o ter-se continuado no novo estadio apesar de o protocolo nao ser cumprido pela camara, as assistencias serem dramaticamente inferiores (como se provou ha' uns fins de semana atra's no regresso ao Mario Duarte) e os custos de manutencao estupidamente altos.
Quando falo em profissionalizar a estrutura do clube, refiro-me a reforcar a estrutura da Academia, ter funcionarios que conhecem os procedimentos da liga no que respeita a burocracia, reforcar a estrutura de olheiros em Portugal... enfim... tornar o clube mais autosuficiente para que a direccao nao tenha que encarar a lideranca do clube como um emprego a tempo inteiro. Nao se fez nem ha' 4 nem ha' 3 anos quando havia condicoes para tal. Agora vamos ter de esperar outra decada pelo menos.

O investimento das primeiras duas epocas desta direccao foi completamente desproporcionado em relacao 'a dimensao do clube. As afirmacoes do Presidente a dizer que deixa o clube onde o encontrou sao demagogia de um louco que acha que os socios sao parvos. Encontrou o clube na 2a Liga, mas nao o encontrou 'a beira da bancarrota.

Por tudo isto concordo com a visao de que nao havera' socios interessados em assumir a presidencia do clube. (O artigo no Diario de Aveiro da semana passada, lancando 3 nomes, e' de uma irresponsabilidade tal que em imprensa nem no jornal do 5o ano do ciclo deveria ser permitida). Vamos ter de esperar que alguem que goste mais do Beira-Mar do que de si proprio nos salve.

Discordo Nuno quando dizes que achas que e' legitimo os "elementos da actual direc�o reaverem o dinheiro que empenharam no clube". Ninguem lhes pediu que o fizessem. Foram actos de gestao de quem investiu do seu proprio bolso de acordo com o que achavam que devia ser feito para o bem do clube. Infelizmente o clube agora tem esta direccao irresponsavel como credora. Quem vier a seguir, se conseguir voltar a credibilizar a instituicao em termos financeiros, faca o favor de deixar estes senhores para o fim da fila de credores. E' apenas de elementar justica. Sugerir-lhes que paguem o que fizeram o clube dever 'a Inverfutbol e' pedir-lhes que voltem a ser gente honrada, que assume os seus erros e esta' disposta a pagar por eles. Essa tua sugestao e' apenas a boa vontade da tua inocencia a falar por ti. Nao acredito que tenhas um pingo de conficanca racional que eles o facam.

Afirmar que a quando da saida do elenco do Eng. Mano Nunes, nao se vivia um clima de ingratidao generalizado, e' de memo'ria muitissimo curta. Que pena terem aparecido candidatos para substituir aquela direccao. Se assim nao fosse, tinhamos continuado no bom caminho em que estavamos, apesar de erros assumidos por quem os cometeu.

Deste periodo de 3 anos, so guardo coisas boas do Beira-Mar em areas em que a direccao nao meteu a pata. A revitalizacao da seccao de basket e pouco mais. Nao tenho orgulho nenhum na vitoria da Liga de Honra no seu primeiro ano, sabendo agora do impacto que teve no futuro do Beira-Mar.

Nuno Q. Martins disse...

Abro aqui uma excepção (mais uma) ao meu princípio de não responder a anónimos, mas há comentários que não devem ficar sem resposta sob pena do que dizem poder ser assumido como verdade por algum leitor mais desprevenido.

Assim sendo, esclareço que no momento em que escrevo estas linhas não estou envolvido em nenhuma lista ou candidatura. Aquele anónimo terá que rever as suas fontes porque o que disse saber é totalmente falso. O facto de assumir, sem rodeios, que gostaria que o Eng. Mano Nunes assumisse uma candidatura, não significa mais do que isso mesmo, ou seja, um desejo.

Respondendo ao anónimo que comentou a Tertúlia do M1922, pela sua prosa, percebe-se que não esteve presente. Registaram-se várias intervenções com muita qualidade. Quanto ao Movimento estar colado a alguma candidatura, diga-me qual... porque pelos vistos sabe mais do que eu.

Anónimo disse...

se a actual direcção deixasse o clube com a seguinte situação:

1 - IRS e segurança social para pagar referente a salários pagos do mês de abril - isto porque os salários estavam em dia!

2 - valores a receber pelo Beira Mar da câmara, Boavista e outro cluble qualquer.....(na altura em que tomaram posse era o benfica)

Pergunto?

Será que não havia mais que uma lista de candidatos?

Penso que sim, e não andariam à procura do dinheiro por baixo das cadeiras do estádio, como tanto se queixou o actual presidente, para agora ter o clubo no estado em que está.

Pois é Sr.presidente, podia não haver dinheiro, mas também não havia dividas e mais importante - o Beira Mar era um clube com credibilidade o que agora não tem e custa a recuperar!

Anónimo disse...

quem chegar agora ao beira mar vai ter de procurar o dinheiro... nuns sitios esquisitos! sabe-se lá onde...

Anónimo disse...

Parece que nem em todos os Beira-Mar do pais, o presidente da AG lambe as botas ao presidente do clube... :)

in O Jogo...

Socos, pontapés e ameaça de morte
Segundo José Raimundo, o presidente do clube, Carlos Martins, deu-lhe um soco num olho e pontapés na tarde de ontem
PEDRO MIGUEL AZEVEDO

O líder da Assembleia Geral (AG) do Beira-Mar de Monte Gordo, José Raimundo, alega ter sido agredido, ontem à tarde, pelo próprio presidente do clube algarvio.

A história foi contada a O JOGO pelo próprio José Raimundo que, após o incidente, teve de ser clinicamente assistido e apresentou queixa na GNR. Segundo o presidente da AG, tudo começou quando constatou que os quatro pneus da sua viatura haviam sido cortados. E foi quando já um mecânico tinha chegado para substituir os pneus que o caso ficou pior. "De repente, ele [Carlos Martins, presidente do clube] veio por trás e deu-me um soco no olho e pontapés nas costas e num joelho, dizendo que me mandava matar. Aliás, esta já foi a segunda vez. Noutra ocasião, na sala de Direcção, já me tinha apertado o pescoço", contou José Raimundo. E, se nessa primeira vez, diz que não houve testemunhas, garante que agora várias pessoas assistiram à agressão. Este dirigente contou ainda que, na origem do alegado acto, pode estar a sua decisão de ter enviado para algumas entidades, entre elas a Câmara Municipal de Faro, informações sobre a aplicação de subsídios. "Este é um clube de utilidade pública. Então porque é que, com tantos subsídios, há atrasos, por exemplo, nos ordenados dos atletas?", questiona. Refira-se que José Raimundo era vice-presidente da AG mas assumiu a liderança depois do presidente Arménio Gonçalves ter abdicado das funções em Janeiro.

Quem não aceita estas acusações é Carlos Martins. A O JOGO o líder do Beira-Mar de Monte Gordo garantiu que nunca agrediu José Raimundo e que nem esteve no local. "Não sei de nada sobre esse assunto. Não estive em Monte Gordo e não agredi ninguém. O que esse senhor quer é tomar o poder de assalto", afirmou Carlos Martins. O dirigente acrescentou, ainda, que José Raimundo "está suspenso enquanto sócio" e que, por isso, e à luz dos estatutos do clube algarvio, perde o direito de estar em funções na AG.