Arquivos

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A inevitável SAD

Sem dissecar aspectos financeiros ou jurídicos, sei que a "Beira-Mar Futebol SAD" é a única forma, no momento, de resolver a grave crise financeira e manter em actividade o futebol ao mais alto nível. Se salvaguarda o futuro da modalidade, isso já é assunto mais complexo, pois entra no campo das dúvidas. Mas não há alternativa. Ou melhor, há: a SAD ou o fim. Obviamente, prefiro a SAD!
Em termos meramente abstractos, as sad's fazem-me lembrar os míticos vampiros. Com uma diferença: em vez de chuparem o sangue, alimentam-se de paixões humanas.
Na sua génese, os clubes de futebol, nada tinham de mercantilista. Eram formados por grupos unidos em redor de um gosto comum: jogar à bola. Daqui advieram as paixões e as rivalidades pelos emblemas e cores utilizadas. Até fins políticos e regionalistas serviram para formar clubes de futebol. Espanha, por exemplo. O Real Madrid congregava a simpatia dos monárquicos e , depois, dos franquistas. Responderam os republicaanos com o FC Barcelona. Franco não se fez rogado e promoveu a criação do Espanhol. E há muitos mais exemplos. Em campo, paixões e ideais. Mas não o mercantilismo.
As sociedades anónimas desportivas apareceram num tempo em que o parasitismo decidiu entrar no comércio da bola. Nessa altura, o que mereciam eram um voltar de costas por parte de quem vive apaixonado pelo seu clube. Mas as paixões causam cegueira, estupidificam. E o Povo continuou a patrocinar o desvario em que o futebol se tornou.
Vejamos o luxo em que vive uma selecção nacional. Os gastos extravagantes com os súbitos de sua majestade, a FPF. A Liga de Clubes, à qual nada falta. Os empresários de jogadores, assessores e os "patos bravos" que nem se sabe muito bem o que fazem lá pelo meio. Para tudo isto, tem de haver dinheiro. E não iam lá com clubes de paixões, só com "máquinas" organizadas de "fazer" guito.E, então, venderam a ideia de que os clubes tinham de ser como as empresas.Mas estes, na sua generalidade, continuam a ver-se e desejar-se para pagarem os salários ao fim do mês. O Povo, que quer ver a bolinha a rolar e bater no fundo das redes da baliza da cor rival, marimbou-se e deixou que os "doutores da bola" criassem as regras.
Os "grandes" deram sinal de partida e os outros foram atrás. Alguns. Ainda há no principal campeonato meia dúzia de clubes. E na Liga Vitalis, só o Estoril criou uma SAD.
Se a criação da sociedade anónima é feita por convicção e para guindar um clube a objectivos mais elevados, nada a opôr. Mas quando surge como mágica salvação para instituições carregadass de problemas,assusta-me. Afigura-se-me assim como um presente sem futuro.
O futebol, hoje, tornou-se numa indústria. Excelente para quem vive à custa dele, na margem. E há muitos que matam a sede da ganância com o suor dos jogadores; e a fome de Poder com a paixão dos adeptos.
A SAD é inevitável. Terá ela hipóteses de subsistir no SC Beira-Mar, caso não consiga ascender e manter-se na divisão principal do futebol português?
Uma coisa é certa,com SAD, se o futebol falhar, o clube não acaba. Esta é a única certeza que tenho. Mas, seguramente que os "experts" destas coisas já devem ter pensado em todos os "prós e contras".Assim espero!

7 comments:

Daniel disse...

Encontro um erro em comum na opinião de todos os artigos que tenho lido acerca de uma possível SAD para o futebol do Beira-Mar. Toda a gente assume que se houver SAD haverá gente disposta a pegar no clube, independentemente do modelo adoptado.

Eu só consigo imaginar a SAD a resultar num significativo encaixe financeiro se se adoptar o modelo seguido pelo Boavista, ou seja, que o clube não tenha que ter o controlo da SAD e que teoricamente um privado possa controlar o futebol do Beira-Mar. Contar com a boa fé e os bolsos fundos e cheios dos Beira-Marenses para injectar dinheiro suficiente para salvar o clube é um erro enorme.

Como qualquer outro Beira-Marense que se preze, não me agrada este cenário, mas é, na minha opinião, o único que é realista.

Francisco Dias disse...

Pois Jorge, concordo com a tua visão. O problema está, e citando-te as tuas palavras: "Mas quando surge como mágica salvação para instituições carregadass de problemas,assusta-me. Afigura-se-me assim como um presente sem futuro." No fundo, não é este o motivo da futura SAD do Beira-Mar?

Abraço.

BM disse...

Da tertúlia que o M1922 realizou fiquei esclarecido num aspecto: a S.A.D. não é nenhum "ingrediente mágico", caso contrário não faltariam clubes SAD! (Galitos SAD, Pessegueirense SAD, Carcanhol de Cima SAD.. etc..
Se afirmamos que esta é a "única forma de resolver os problemas do Beira-Mar" terei as minhas reservas... A única não será, interessa é saber qual é a melhor.
Qual é o capital a ser investido na SAD do BM? 1000€ ? 100.000€ ? Ninguém sabe?
Qual é o investimento necessário no BM? 500.000€? 1.000.000€? Ninguém sabe?
Temos já esses "valores de referência" para uma SAD no BM?
Em caso afirmativo, quanto é e de onde vem o capital (que entidade)?
Temos outros mais apoios de outras entidades? Qual o tipo/género? Temos recursos técnicos para avançar apenas para a SAD? e para uma Estrutura profissional sem SAD?
Há sustentabilidade da SAD ao fim de 5, 10 e 15 anos?
Nada disso foi explicado e daí que tenho muitas reservas sobre as SAD's.
Fala-se em "futebol industria" (pelos exemplo em sucesso em outros clubes), mas esquecemos-nos dos exemplos de insucesso... O Beira-Mar não tem uma estrutura profissional. A dimensão é diminuta (assim como outros clubes que têm dimensão idêntica e tiveram insucesso. Queremos avançar na mesma para esse patamar qualquer? Será por "vaidade"? resolver algum problema de forma rápida? Não será um "passo maior que a perna"...?
Porque não pensar 1.º em TODA a estrutura e profissionaliza-la? (não há dinheiro?)
Não se pode fazer o mesmo esforço monetário para contratar outros profissionais para diferentes departamentos e a partir daí pensar em "outros voos"?
Os investidores ai já não estão interessados?
É melhor ir buscar o jogador X do país Y será só isso que interessa?
Se processos jurídicos avançarem e se o Beira-Mar perder algo... quem perde? É o clube ou é a SAD? Temos que atender SEMPRE à data da situação, e no caso das penhoras é o clube que ficou penhorado e não a SAD.. porque as dívidas e alguns processos existem e a decorrer estão em Tribunal...
Vamos continuar na mesma? Porquê? Estrutura Profissional Sim! SAD? "I don't know.. but it will make me.."

Anónimo disse...

Pois é caro Jorge,
fazemos parte dos cegos e estupidificados,movemo-nos por paixão!
Antes isso que pedantismo e exibicionismo.
Vamos continuar com o BM e acreditar nos que lutam e estão a trabalhar por ter uma SAD, um voto de confiança.
Para isso sessões de esclarecimento.E exemplos já há algum tempo existem, servem de ponto de apoio.
Fomos apanhados na enxorrada da crise financeira e política, o que agravou ainda mais a agonia do BM.
Faz parte da evolução,nada como
experimentar, se tem que ser, vamos a isso.
SCBM tem que continuar.

Anónimo disse...

É inevitavel, a asfixia interna é inultrapasssavel.

Anónimo disse...

com uma equipa de 11 elementos ainda nao divulgaram o comunicado da ca.

JMO disse...

Caro anónimo, ou pouco anónimo das 01.18

E porque haveriamos de divulgar o comunicado do CA? Para isso serve o site do clube.

Aqui discute-se, analisa-se e comenta-se. E muito teremos para dizer...