Arquivos

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Breve comentário à entrevista de António Regala

Gostei de ler a entrevista de hoje, ao Diário de Aveiro (pág.s 28 e 29), de António Regala, na qual o próprio assume ser o provável candidato nas eleições agendadas para o dia 19 do próximo mês.
-
Trata-se de uma entrevista que aborda as principais dificuldades e os principais desafios que se colocam ao clube. Num tom manifestamente apaziguador, António Regala faz justiça ao papel de Mano Nunes na história do clube e passa uma esponja sobre o conflito recente com Artur Filipe e José Cachide.
-
Sobre a dificuldade de convivência das modalidades amadoras e do futebol profissional sob a mesma estrutura, como é do conhecimento público, partilho da mesma perspectiva de António Regala, bem expressa na sua resposta à questão da constituição de uma SAD para o futebol profissional.
-
Sobre a sua provável candidatura, António Regala coloca duas condições que espera serem asseguradas até ao final desta semana: apoio institucional (da autarquia?) e apoio financeiro (renovação do acordo de pagamento da dívida com os ex-dirigentes para as próximas épocas?). É legítimo que António Regala, ao contrário de antigos dirigentes, não ponha em risco o seu património pessoal para ser presidente do clube.

A confirmar-se a candidatura de António Regala, fico na expectativa de conhecer o seu programa eleitoral. Além da manutenção da estabilidade directiva e financeira (penso que todos reconhecem que são as premissas fundamentais para qualquer projecto), tenho a expectativa de encontrar propostas concretas para duas áreas que são urgentes: Melhoria das infra-estruturas desportivas (para as modalidades e respectivos escalões de formação) e aproximação do clube com a sua comunidade (campanhas, eventos e projectos sociais). Importantíssima, também, a revisão dos estatutos e regulamentos do clube, num processo que se deve pautar pelo máximo envolvimento possível dos órgãos sociais do clube e dos associados.
-
Contudo, há algo que me parece fundamental e que deve ser exposto e debatido neste período eleitoral. É que o Beira-Mar precisa de um projecto de reestruturação a médio-longo prazo e, nesse aspecto, penso que caberá ao futuro elenco de António Regala definir as suas directrizes, pois todos temos a expectativa que a questão dos protocolos com a Câmara Municipal de Aveiro se resolva, de forma negociada, durante os próximos três anos. A definição de um modelo de clube e das infra-estruturas que esse modelo exige parece-me crucial para orientar as negociações com o Município, face ao quadro legislativo vigente que, como sabemos, proibe apoios públicos ao desporto profissional.
-
Fico na expectativa de que a lista que se candidate (que deduzo seja a única) se apresente com ideias e propostas concretas, disponível para debatê-las com os sócios e com a motivação necessária para dar corpo às mesmas.
-
Aqui ficam as ligações para a Entrevista:
Pág. 28 -> Clicar Aqui!
Pág. 29 -> Clicar Aqui!

10 comments:

Anónimo disse...

nao podes colocar aqui a entrevista?

Anónimo disse...

Pois...

Nuno Q. Martins disse...

Mais logo tentarei aqui colocar a entrevista.

Anónimo disse...

É um manisfesto eleitoral bem conseguido.
Não é uma tarefa fácil, mas tem a vantagem de ter os problemas identificados e se concorre é porque vê viabilidade.
Aguardemos para vêr o projecto.

Rui Silva

Nuno Q. Martins disse...

Já se encontram adicionadas ao post as ligações para a entrevista completa (pág.s 28 e 29) da edição de hoje do Diário de Aveiro.

Anónimo disse...

A faina é dura.

Sobral disse...

Mas há expectativas que apareçam listas?
Só malucos.
O clube continua nas mão de alguns exdirectores e do Crushak. A direcção será sempre e quer queira ou não uma marioneta nas mãos destes senhores.
Continuem com uma comissão ahdoc que estão muito bem.

Rúben disse...

Mas já começa esta merda, já sentiam falta de criticar...quem está lá, está lá bem!!!

Sobral disse...

Quem sabe se está bem são os sócios. Os sócios é que julgam a gestão, atitudes e projectos.
Por mim, tá bem, mas isto não é nenhuma republica comunista, onde a eleição é apenas um plebiscito.
A discução e a informação aos sócios é essencial.

Anónimo disse...

Ora pois claro! Falam, falam, falam,falam, falam,...e num dizem um trabalho...oh que saralho de carilho!!!