Arquivos

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

A subjectividade de um jogo de futebol...

Depois de ter assitido in loco ao Aves x Beira-Mar, ter visto o resumo na RTP N e ter dado uma vista de olhos à imprensa desportiva nacional, soltei uma gargalhada ao ler o primeiro parágrafo da crónica do Diário de Aveiro. De facto, o mesmo jogo pode ser visto de perspectivas muito diferentes.

24 comments:

Anónimo disse...

Gargalhada???

Nuno Q. Martins disse...

"A equipa da casa foi superior ao adversário mercê de um poder físico mais notório, com uma entrega ao jogo mais conseguida e acompanhada pelo maior virtuosismo das suas pedras. O Beira Mar nunca conseguiu fazer a ligação entre os vários sectores da equipa, uma dificuldade que foi atenuada no segundo tempo com a exploração dos flanco, mas sempre insuficiente para pôr em causa a defesa visitada."
.
"Com o Aves mais esclarecido nas movimentações ofensivas, valeu ao Beira Mar o guarda-redes Eduardo, o seu melhor elemento e o maior obstáculo à equipa mais veloz em campo. Moreira, talvez o reforço mais sonante da equipa de Neca, foi quem deu mais expressão a esta velocidade e como organizador de um ataque onde Leandro e Diego Gama também deixaram boas indicações, mas não conseguiram concretizar" - MAISFUTEBOL

Anónimo disse...

O relactor não tem culpa, culpa tem quem o considera jornalista.
Uma coisa é o adepto outra deve ser o jornalista e ele confunde as duas coisas.
Coisas da vida.

Neutro - apenas 1 amigo do Nuno disse...

atenção:

Os resumos televisivos levaram-me a pensar q o Aves teve sinal +...
Mas quem lá esteve é q sabe

Anónimo disse...

Sinal mais, mas pouco...

Anónimo disse...

Sinal mais, mas pouco...

Anónimo disse...

O Nuno é um bom treinador de bancada? Agora? É impossível "comandar" uma claque agarrado ao tambor e muitas vezes de costas para o campo e estar devidamente atento ao jogo! Eu não estive lá, mas de acordo com as imagens da TV, e vi-as em todos os canais, não evidenciam uma supremacia do Aves e muitas vezes até as imagens de TV são falaciosas em relação ao que acontece nos jogos; até pq houve um canal (?) em que se viram imagens bastante favoráveis ao Beira. Domingo e nos 2 próximos jogos é que se verá o valor deste beira.
Saudações desportivas
Um fanático do beira

Anónimo disse...

Afinal quem vem e quem sai do Beira? Delibasic (sítio do beira) ou Edgol (Record) ou "ambos os dois"?
Ora-Porra

Nuno Q. Martins disse...

Caro "fanático do Beira";

Eu estive nas Aves e estive sempre de frente para o campo, não estive a "comandar" a claque. Tive oportunidade de estar com atenção ao jogo.
Mas isso pouco importa, a comparação faço-a entre as análises da imprensa desportiva e não desportiva nacional e a análise do Diário de Aveiro. Tão só.

Anónimo disse...

A Claque sem o Nuno a comandá-la, a gritar e a tocar bombo á um Ai jasus, ié uma pobreza franciscana! Força Nuno continua.
Has-de ir para o outro lado do campo e apreciar a claque sem o seu nº 10, digo Nuno, e depois faz uma apreciação.
Tolo pelo beira

Anónimo disse...

O Sítio do beira confirma a vinda do delibasic e do Edgar. Como o Mr só pretende trabalhar com 22-24 jogadores a antiga equipa vai toda de vela; devem o ficar o Ribeiro pq é da casa e o Ricardo pq tem lugar cativo para qq treinador
Doido pelo Beira

Nuno Q. Martins disse...

"Tolo pelo beira";

Já vi que é uma pessoa simpática, mas como diria um antigo professor meu: «As coisas não são bem assim, mas diga à vontade que é sempre bom de ouvir!».

Anónimo disse...

A falar é que a gente se entende!
Maluco pelo beira

sergiol disse...

Ainda bem que o Diário de Aveiro te dá vontade de rir. Aliás, permite-te soltar umas saudáveis gargalhadas, amigo Nuno Q. Martins.

Mas olha que essas gargalhadas, se bem as entendo, são de escárnio e não de seriedade. E isso já não é saudável.

Eu sei que tu estiveste presente nas Aves, Vi-te, ainda que ao de longe, entusiasmado no constante apoio ao nosso clube. O teu entusiasmo, na altura, até me levou a pensar que estavas agradado com a exibição da equipa. Afinal, …

O texto do Jacinto Martins foi elogioso para com o Beira-Mar. É verdade. Mas o elogio que lhe advém transporta consigo muita seriedade. Durante o desafio, tanto eu como o Jacinto, a que se juntou a opinião de um jornalista natural de Vizela, fomos comentando a forma positiva como o Beira-Mar estava a encarar o jogo. Concordarás comigo, estou certo, que o Beira-Mar, na maior parte do tempo, jogou de igual para igual. Reconheço que o Aves, por momentos, assumiu o controlo do desafio. Mas, meu amigo, isso acaba por ser natural quando se actua na própria casa “empurrado” pelos adeptos.

Falando de oportunidades de golo. Daquelas flagrantes: para o Beira-Mar, conto, assim de repente e de memória, quatro. 1.ª livre directo de Torrão que Nuno defendeu com estrema dificuldade para canto; 2.ª oportunidade do mesmo Torrão, também na primeira parte, que só não ficou isolado frente a Nuno, em plena grande-área, porque um adversário o tirou ostensivamente do caminho ficando por assinalar o correspondente penalty (as imagens mostraram isso? Não!, a restante comunicação social, tirando o «gargalhante» Diário de Aveiro, escreveram isso? Não!); 3.ª por intermédio de Tininho, solto na esquerda, que rematou muito por alto, só com Nuno pela frente; 4.ª, André Leão, no último suspiro, em que já todos se preparavam para a festa. E do Aves? Bem, do Aves… ajuda-me, meu amigo, não me consigo lembrar de uma única.

Eu sei que não fazes por mal, meu bom amigo, mas às vezes metes as pessoas mesmo a jeito de levarem porrada verbal sem necessidade alguma. Vê tu bem que já houve um artolaszeco que indirectamente julgava ter sido eu a escrever tal prosa. Quando foi o Jacinto, fervoroso adepto, sócio e ex-dirigente do Alba.

Já sabes, aquele tradicional abraço,

Sérgio Loureiro.

Anónimo disse...

Como é que um empregado de secretaria e jornalista desencartado pode escrever " vi-te ao de longe"? Por isso e de tão "ao de longe" estar não viu o que eu vi na TV, Duas-Defesas-Duas, do Eduardo que só um GR de categoria (e também um pouco de sorte) poderia fazer. Posso ser Maluco mas burro e cego (sem ofensa para os invisuais) não sou. Se calhar foi por isso é que o amigo Portugal mudou o plantel à &º e à 2ª Fº e foi ao Brasil buscar reforços.
Maluco pelo Beira - sem malícia

sergiol disse...

Oh Maluco! (com toda a malícia) tem algo contra os empregados de secretaria? É que contra os invisuais não tem, pelo que escreveu. Jornalista não sou. Apenas colaborador. As defesas do Eduardo foram sem sorte, apenas categoria intrínseca dele mesmo.
Respondo só por esta vez. Deixei de responder a anónimos. Mas como se identificou pela metade (afinal considera-se maluco) leva esta benesse. Se quiser, imprima a resposta e faça uma moldura. Não são muitos os que levam resposta do Sérgio Loureiro.
Já agora, se tiver coragem (dúvido muito) identifique-se por completo. Não apenas por aquilo que é conhecido.

Meu bom amigo Nuno, quando escrevi «estrema» queria escrever «extrema», como é óbvio.

Um abraço,

Sérgio Loureiro.

Anónimo disse...

Afinal apanha-se mais depressa um "cego" do que um coxo - pelo que s econstacta o Eduardo fez defesas difíceis, logo o Aves também pressionou e impressionou o Beira (La Palice não diria melhor.
Vivam os funcionários e funcionárias de secretaria - sem malícia - já passa das 16.00 por isso não há resposta.
Loureiro a Presidente do Sindicato
Ganda-Maluco

Anónimo disse...

Será que o Sr Sérgio escreveu o 1º Post na hora de expediente, ou tinha ido ao bufete ou ao WC? Ou estará em casa com gripe
Carlos Cruz

Anónimo disse...

Parem com essas discussões parvas. Caramba depressa se vos cai a capa. Afinal falam falam falam falam do "desnível" dos outros, mas quando "picados" dá no que acabo de ler. Vamos lá a "ultrapassar, dar o pisca" e seguir em frente no contributo à partilha da discussão tão necessária...mas assim não. Já não se usa dar o exemplo, mas não ficava mesmo nada mal que o fizessem.
Anónimamente eu.

Anónimo disse...

Assim, sim.

Nuno Q. Martins disse...

Amigo Sérgio;

Entre nós dispenso aquelas considerações de estima e amizade que às vezes sentimos necessidade enunciar antes de proferir alguma crítica. Estamos, como sempre, à vontade um com o outro.

Reparei que o autor da crónica do Diário de Aveiro era o Jacinto Martins. Mas já sabes como eu sou, se fosses tu a escrever, faria na mesma o post e ficaria triste contigo se me levasses a mal por isso. A minha gargalhada não é de escárnio, como escreveste. Repara no título do post, que se refere à subjectividade da análise de um jogo de futebol.

Como em tudo na vida, depende sempre das perspectivas e isso nada tem de criticável, antes pelo contrário, as diferentes perspectivas em confronto geralmente enriquecem o debate, neste caso, permitem o confronto por parte dos leitores e cada qual que retire as suas ilações.

Em relação à prestação do Beira-Mar nas Aves já dei a minha opinião noutro post e não vale a pena repetir-me. Comentei porque vi o jogo e dei a minha perspectiva. Como te digo, é apenas a minha perspectiva descomprometida com a da comunicação social. Quando escrevo faço-o com base nas minhas convicções e só depois vou dar uma vista de olhos naquilo que outros escreveram.

Aquilo que constatei em relação ao Aves X Beira-Mar é que a minha perspectiva sobre o jogo aproxima-se à dos jornalistas de A Bola, O Jogo, Record, Mais Futebol e às imagens que passaram no resumo da RTPN. A crónica do Diário de Aveiro é inequivocamente aquela que mais se afasta de todas as outras. Só isso. Não critico pois não ponho em causa a isenção do Jacinto Martins, mas permite-me rir (sem malícia), perante a subjectividade da análise. Esta mesma subjectividade é que torna o futebol tão apaixonante e controverso. Até entre os árbitros existem interpretações diferentes sobre as mesmas leis de jogo.

Não foi minha intenção colocar ninguém a jeito de levar "porrada verbal" e lamento que o primeiro anónimo tenha pensado que este post era dirigido à tua pessoa. Mas, amigo Sérgio, os anónimos só têm a importância que lhes quisermos dar.

Aquele tradicional (gostei da expressão) abraço! :)

Anónimo disse...

Afinal os meninos até são amiguinhos...ainda bem!

Anónimo disse...

Ninguém disse que era parágrafo, portanto devem continuar...senão perde o interesse

Anónimo disse...

Ninguém disse que era parágrafo, portanto devem continuar...senão perde o interesse