Arquivos

quinta-feira, 27 de março de 2008

Mano Nunes

O ex-líder beiramarense espera que se cumpra «aquilo que o Dr. Caetano Alves disse na Assembleia-Geral de 31 de Outubro de 2006: iam deixar o clube como encontraram ou até melhor ainda», recordou. Sobre um possível regresso ao clube, apenas disse que «as pessoas que gostam e vivem o clube nunca poderão dizer nunca». [Para ler aqui o artigo completo]

5 comments:

Anónimo disse...

Volta Mano....convence Roque, André, Nuno Q.+ 3 e façam o que vocês sabem...pôr o Beira no lugar que merece e que nunca deveria ter saido.

Anónimo disse...

Foi durante o mandato deste homem que o clube viveu o período mais tranquilo e equilibrado da sua história recente. Parecia, por vezes, denotar alguma falta de ambição. E os críticos "bombardeavam-no". Mano Nunes, no entanto, respondia com indiferença, pois sabia que trilhava os caminhos certos. Arrancou o Beira-Mar da falência, estabilizou-o, dando-lhe o que nunca havia tido: equilibrio financeiro, auto-sustentabilidade e independência. O nosso emblema ganhou credibilidade, respeito, admiração. Cometeu erros? Seguramente que sim. Mas nunca hipotecou o futuro. De tal forma que, quando se demitiu, apareceram duas listas a sufrágio. O que, por si só, prova a pujança e o equilibrio do clube. Apesar da má época desportiva, era um clube sustentado. O que não acontece presentemente nem acontecerá nos anos mais próximos.

A demissão de Mano Nunes era de todo desnecessária. A maioria dos sócios continuava a seu lado. O seu acto, no entanto, prova que Mano Nunes é um homem sério, de palavra e que honra os compromissos que assume. Além disso, demonstrou o que é amar um clube: geri-lo durante uma década sem objectivos carreiristas de qualquer espécie. Podia ter-se promovido, podia estar na política a saborear um "tacho". Mas não o fez. E o seu beiramarismo até chegou a ser posto em causa, por alguns oportunistas,apenas...porque não tinha nascido em Aveiro!
Estar todos esses anos na presidência do Beira-Mar, sujeito às críticas mais absurdas, não deve ter sido fácil. Nem para ele, nem para a sua família. Esta, porém, só deve estar orgulhosa pelo trabalho que desenvolveu em prol do clube e, por consequência, à cidade, à sociedade e ao desporto.

Nós, beiramarenses, voltamos a precisar dele. Custa pedir mais um esforço a quem já deu tanto. Era o homem certo para o Beira-Mar actual. Neste momento o clube precisa recuperar muitas coisas, entre elas a credibilidade. Estará Mano Nunes disposto a mais 3 anos de sacrifício? Eu bem desejaria que sim. E, como eu, muitos outros sócios com certeza.
Jorge Santos

Daniel disse...

Jorge Santos, nao adiciono nem retiro uma virgula ao seu comentario. Escreveu exactamente o que eu e muitos beiramarenses (provavelmente a maioria) pensam.

Anónimo disse...

Actualmente, Mano Nunes só tem como opositores, aqueles tanto disseram mal de um homem de bem, e que hoje arruinaram o Clube, e tudo fizeram para se prepectuar no poder, com a situação caótica que o Beira Mar se encontra, por estes coveiros.
Volta, Engº.Mano Nunes.
Salve o nosso Beira Mar.

Gabriel Baltazar disse...

"o Dr. Caetano Alves disse na Assembleia-Geral de 31 de Outubro de 2006: iam deixar o clube como encontraram ou até melhor ainda" Mano Nunes.

Parece-me utópico que as palavras do Dr. Caetano Alves se concretizem na realidade. Todos percemos isso.

Um dia antes do final do prazo de entrega de candidaturas ainda tive esperanças que o emblemático Mano Nunes assumi-se o "peso" que é hoje ser presidente do Beira-Mar, mas de facto é quase cometer suicídio assumir o clube no estado em que este se encontra.

Teria e terá o meu apoio. A ver vamos o que o Conselho Geral terá a dizer, depois de aprovar a data do acto eleitoral para 12 de Abril, um acto obviamente comprometedor para o futuro do clube.