Arquivos

terça-feira, 13 de abril de 2010

EMA, sempre o EMA!

O meu amigo Bruno Martins, crítico acérrimo do EMA, mas devidamente fundamentado, "pergunta" nas redes sociais se gostamos do dito EMA.
Responder, para mim, é tão simples quanto complexo. Porque o EMA é-me indiferente!
As razões são variadas e a ordem pela qual as exponho é arbitrária:
- Não tem qualquer identificação ( cores, símbolos, etc.) com o SC Beira-Mar ou com a cidade.
- O arquitecto que o pariu nunca deve ter pensado que ia ali alojar-se um clube e, por isso, desenhou-o "neutro".
- Está imcompleto! Um centro de estágio mal construído que se vai degradando; faltam campos de treino e infra-estruturas para as camadas jovens. Este "esquecimento" demonstra que não foi pensado para alojar o SC Beira-Mar. Ou, então, quem o "pensou" deve perceber muito pouco de futebol!
- A distribuição e separação das bancadas são desadequadas face aos compromissos desportivos de um clube residente.
- Má planificação e deficitária rede pública de transportes para o estádio. Para um jogo que aí se realize de quando em vez, menos mal, mas para quem lá jogue e treine regularmente, não funciona.
- A maioria dos estádio construídos nessa altura foram complementados com hotéis e centros comerciais. O espaço onde se situa o EMA é um vazio desolador!
Mas, pior do que tudo isto é o perpétuo mal-estar entre os sucessivos corpos sociais do SC Beira-Mar e a administração deste património municipal.
Artur Filipe e José Cachide não se entenderam com os responsáveis do EMA, Mano Nunes e seus pares também não e actual Comissão Administrativa já confessou o desalento para negociar, face à postura da CMA. Pelo meio, o dr. Jorge Greno procurou soluções para constituir uma CA e esbarrou com o autismo camarário.
Quem não tem "papas na língua" e diz o que pensa é Leonardo Jardim. Pôs o "dedo" numa das feridas - o profissionalismo. E causou uma dôr tremenda à Câmara de Aveiro.
Jardim tem razão e fez muito bem em falar no assunto da relva. Quem não fez nada bem foi o responsável camarário que se prontificou a responder. Se fossem tão rápidos a agir e colaborar como foram a responder, tudo correria, com certeza, muito melhor. Foi uma resposta precipitada, parecendo mais um repto a um partido da oposição que contestava uma qualquer taxa municipal do que a um clube da cidade que "clama" por justiça.
A Câmara de Aveiro não tem sensibilidade para lidar com os problemas de um clube histórico, bandeira da cidade. E isto nada tem a ver com partidos políticos, mas com sensibilidades, pessoas e projectos. Câmaras municipais cujos executivos pertencem à mesma família política da de Aveiro têm posturas diferentes. E os exemplos são imensos. Citemos apenas um, que fica mais próximo geograficamente : Oliveira do Bairro. Há bem pouco tempo a câmara municipal dessa autarquia bairradina "ofereceu" novos balneários ao futebol de formação e o próprio presidente da câmara veio a terreiro, publicamente, defender os interesses do Oliveira do Bairro SC, por ser o clube mais representativo do concelho. Enfim, posturas diferentes, objectivos diferentes, diferente sensibilidade em relação a um "diamante" que urge preservar.
Oxalá me engane, mas os problemas EMA/SCBM/CMA não terão fim tão cedo. Quer o clube suba ou não.
Se não subir, talvez ponha termo a um grande problema para o executivo camarário aveirense: O SC Beira-Mar dificilmente resistirá a mais uma época na "vitalis".
Então, será o fim dos problemas do EMA. Como não há ninguém que lá queira jogar, vai caindo aos poucos, evitando os aborrecimentos e custos que são exigidos a uma implosão.

14 comments:

Anónimo disse...

Só mais uma exemplo de Oliveira do Bairro. Numa altura que o clube ficou sem patrocinios, a camara pagou os salarios dos jogadores.

Daniel disse...

Caro Jorge Santos. Pelas razões que apresenta o EMA é-lhe tudo menos indiferente.

Bem ou mal construído, localizado, equipado, etc... o EMA foi e é uma oportunidade para o clube crescer. Bem gerido ainda o considero uma boa forma de gerar receitas para o clube e tornar-se um dos ex libris da cidade. O problema é que, até hoje nem o EMA foi gerido pelo Beira-Mar, nem o EMA foi gerido por gente com competência para o potenciar para o negócio e também por isso, para além das várias falhas que lhe aponta, o EMA tornou-se o patinho feio da cidade.

Mas acima de tudo há que perceber que o Beira-Mar, nesta altura e já de há alguns anos para cá, não precisa de crescer... precisa de sobreviver.

O EMA, já em 2004 quando o clube estava saudável, estava sobredimensionado para as necessidades do Beira-Mar e já na altura, os custos estimados para manutenção do Estádio eram tão evidentemente altos que construí-lo foi um acto megalómano e irresponsável.

Na altura o Beira-Mar disse que "sim Sr, com o protocolo que nos estão a propor, é claro que vamos para o EMA". As condições eram tão vantajosas que recusá-las não faria sentido. Faltou ao Beira-Mar lembrar-se que "quando a esmola é grande, o pobre desconfia"; confiou nos politicos e na suas capacidades de gestão e isto ajudou em muito a chegar ao estado a que chegou.

É por isto que sou um acérrimo defensor de um regresso ao Antigo Mário Duarte o mais rapidamente possível, não porque considere o EMA feio, fora de mão ou mal equipado, mas porque acima de tudo é um peso demasiado grande para o Beira-Mar carregar, sem as compensações protocoladas a seu tempo e nunca cumpridas.

Mas para já concentremo-nos em acabar a época num dos 2 primeiros lugares que é isso que nos pode garantir a sobrevivência a curto prazo.

Anónimo disse...

Os problemas com EMA / CMA não se vão resolver nunca.
Se o SCBM subir, os problemas continuam. Quanto mais sobe mais ganham os jogadores e todo o staff, maiores são os gastos, mesmo com mais receitas.
O buraco manter-se-á agravando-se.
Quanto ao estádio o Sr. Jorge tem razão. Parece mais uma tenda de circo. Quem o fez, o Taveira, percebia mais de malabarismos e palhaçadas.

Matias disse...

O EMA é o que é, mas o principal problema é que tem que ser gerido no ambito da actividade futebol.
Uma empresa municipal não tem qualquer vocação para gerir este equipamento.

RC disse...

O estádio sem um clube residente não se justifica. Se o Beira Mar algum dia resolver sair mesmo do estádio, a Câmara de Aveiro quer queira quer não passa a ter mesmo um problema a sério que não pode ignorar, tal como tem mais ou menos feito até agora. Na situação criada com a protocolo com a EMA que esta não cumpriu, o Beira Mar tem sido a grande vítima e mais do que as asneiras de gestão dos senhores que têm o clube penhorado, foram os incumprimentos para com o clube que o puseram à beira da extinção que continua a ser uma ameaça bem real, apesar do adormecimento causado pela classificação da equipa na liga e pela possibilidade de subida de divisão. Provavelmente o Beira Mar deveria mesmo decidir-se pelo abandono do novo estádio e pelo regresso ao antigo Mário Duarte, com as obras necessárias ao efeito. Nessa altura a Câmara não tinha outro remédio a não ser tomar uma atitude séria para com o Beira Mar e começar a fazer a sua parte na resolução dos problemas causados por esse malfadado estádio. O abandono do estádio novo e a divulgação de todo o processo, nomeadamente do protocolo e do seu incumprimento, seria um escândalo nacional e uma séria pedra no sapato para a câmara e para a sua EMA e teria todas as condições para transformar um aparente recuo do clube num avanço. Há muita gente que continua desinformada sobre quem são os culpados e quem é a vítima de toda esta situação criada com a passagem do Beira Mar para o novo estádio. E também alguns políticos autárquicos a fazerem-se de distraídos.

Anónimo disse...

Entendam-se, porra!
A Camara não veio recentemente dizer que considera o ultimo protocolo válido?
O protocolo remete para o Beira Mar a gestão do estádio, porque é que a EMA não o quer largar?
O protocolo vale para umas clausulas e não vale para outras?
Entendam-se, porra!

Nuno disse...

Entendam-se, porra!Disse o anónimo das 14;46.....
Realmente chateia e bem , as coisas estarem claras e não haver entendimento possível. Mas caríssimo, com um presidente da câmara, Sr. Élio Maia, que só serve para cortar fitas (não tem pelouros e provavelmente delega todas as responsabilidades) com quem deve o SCBM entender-se? Por que não aceita o Sr. presidente da Câmara a comissão paritária proposta pelas CA e que analisaria tudo o existente, presente e passado, e conclua sobre a razão que assiste a cada uma das partes?
Só a má fé com que sempre lidou com o SCBM desde que tomou posse há 5 anos, poderá justificar os seus actos. E ainda vamos tê-lo mais 3 anos.... de forma que o melhor é mesmo voltar para o velho Mário Duarte.
Eles que impludam o estádio ou mudem a câmara para lá. O relvado dava um belo armazem de máquinas paradas ou avariadas.

Anónimo disse...

A forma destemperada com que o senhor da câmara reagiu às declarações do treinador do Beira Mar sobre a manutenção da relva revela bem que a câmara lida mal com a crítica publicamente exposta. Porque será?...Cumpre ao Beira Mar, de uma vez por todas, revelar pública e insistentemente, o desrespeito pela EMA, logo, CMA, do protocolo proposto e livremente assinado por esta que transferiu o Beira Mar para o estádio novo, nomeadamente no que respeita às contrapartidas financeiras. É tempo de deixar de parecer que o Beira Mar é causador e a EMA/CMA a vítima do actual mau estado das coisas.

Anónimo disse...

A camara quer ser o dono da bola.

S.Cruz disse...

O estádio até é bonito e provavelmente foi o unico em Portugal a ganhar um prémio internacional de arquitectura.
Se eu mudava alguma coisa no estádio? Mudava muitas!
Se foi pensado para albergar um clube, ou o Beira-Mar? Não foi, foi somente para 2 jogos de uma fase final de europeu. E aí o Taveira não tem culpa pois como arquitecto só faz o que o cliente lhe pede, e vemos a diferença com o estádio de alvalade, logo não vamos por aí.
Se o Beira-Mar devia tomar uma atitude firme em relação a isto? Devia e ainda não percebi pq ainda não a tomou, sendo uma das principais fontes de problemas.
O resto é bla bla bla.

Anónimo disse...

A EMA serve para muita coisa, menos para o que de facto deveria.

Anónimo disse...

Voaram as telhas à 2 meses e ainda não foram substituidas.
O relvado está péssimo.
Conservação nada.
Mas o que é que faz a EMA?

José Ramos disse...

Jorge,
Andas muito pessimista.
Anima-te rapaz.
O que é preciso é subirmos pra primeira e dar um pontapé no cu aos administradores da EMA e restantes muchachos.

BM disse...

Juntem-se ao grupo para discutir abertamente todas os pontos sobre o EMA:
http://www.facebook.com/#!/group.php?gid=107312392642029