Arquivos

domingo, 4 de abril de 2010

Incidentes na Trofa

Quem esteve na Trofa ou assistiu ao jogo na televisão soube da ocorrência de alguns incidentes que envolveram os adeptos do SC Beira-Mar e a Polícia, no sector destinado aos adeptos visitantes, logo a seguir ao golo apontado por Artur (aos 73´).
Em quase duas décadas a acompanhar o SC Beira-Mar em muitas deslocações, esta foi a segunda vez que presenciei um comportamento desta índole por parte da Polícia. A primeira vez foi na época 2003-2004, em Moreira de Cónegos, uma cena triste também protagonizada pela GNR. Muito se fala da violência protagonizada pelas claques de futebol, mas o que a maioria das pessoas desconhece é que, de volta e meia, estão os adeptos tranquilos e são as autoridades que deviam promover a segurança de todos nós que se lembram de promover a violência sobre nós. A título pessoal, enquanto espectador de espectáculos desportivos, indignado com o que assisti na Trofa, decidi dirigir uma Exposição ao Comandante Geral da GNR, com conhecimento ao Ministério da Administração Interna, Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, Direcção de Justiça e Disciplina da GNR, Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Conselho para a Ética e Segurança no Desporto, Clube Desportivo Trofense e Sport Clube Beira-Mar.
Agradeço ao Pedro Nuno a foto que ilustra este post.

Aqui reproduzo, na íntegra, o teor da referida Exposição:

Comando Geral da Guarda Nacional Republicana
Largo do Carmo
1200-092 Lisboa

Aveiro, 4 de Abril de 2010


Assunto: Intervenção da GNR no jogo CD Trofense / SC Beira-Mar



Exmo. Sr. Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana;



No passado dia 2 de Abril, feriado nacional, desloquei-me ao Estádio do Clube Desportivo Trofense, na Cidade da Trofa, para assistir ao jogo de futebol CD Trofense / SC Beira-Mar, referente à 25ª jornada da Liga Vitalis.

Sendo eu adepto do SC Beira-Mar, assisti ao jogo no sector destinado aos adeptos visitantes, juntamente com cerca de seis dezenas de espectadores afectos ao mesmo clube.

Desde o momento da chegada dos adeptos ao estádio, que os ARD (Assistentes de Recinto Desportivo) presentes no local zelaram para que o corredor existente entre o muro que separa a bancada do relvado e a primeira fila de cadeiras da bancada estivesse desobstruído, encaminhando os espectadores para as cadeiras da bancada. Os adeptos do SC Beira-Mar acataram pacificamente essa instrução e respeitaram-na sem qualquer tipo de perturbação até aos 73 minutos de jogo, altura em que o SC Beira-Mar marcou o primeiro e único golo do jogo. Na euforia dos festejos, alguns adeptos acercaram-se junto do referido muro, ocupando momentaneamente o corredor, rejubilando com o golo alcançado pela sua equipa. Numa situação normal, igual a tantas outras que já assisti em centenas de jogos que ao longo da minha vida presenciei, após aquele momento de celebração, os adeptos voltariam tranquilamente para os seus lugares sem qualquer incidente. No entanto, na Trofa assim não aconteceu. Vamos aos factos:

1. Aquando do golo do SC Beira-Mar, alguns adeptos celebrando o golo da sua equipa, ocuparam momentaneamente o corredor e aproximam-se do muro, sem qualquer indício de violência ou intenção de perturbar o jogo;
2. Sem que nada o fizesse prever, vários elementos do Destacamento de Intervenção do Porto, da Guarda Nacional Republicana, que se encontravam próximos daquele local, entram no sector dos adeptos do SC Beira-Mar e empurram, com uma agressividade desmesurada, todas as pessoas que se encontravam momentaneamente a celebrar o golo no referido corredor;
3. Na sequência dos empurrões protagonizados pelos elementos da GNR, registaram-se várias quedas de adeptos, inclusivamente, de pessoas com uma idade mais avançada, gerando a indignação das pessoas que, como eu, assistimos incrédulos à actuação despropositada e desproporcional da GNR;
4. Perante a intervenção de alguns adeptos que tentaram controlar a fúria dos elementos da GNR sobre os outros adeptos, alguns deles menores de idade, os elementos da GNR reagiram à «bastonada» indiscriminadamente.
5. Vários adeptos foram atingidos pelos bastões dos elementos do Destacamento de Intervenção do Porto.
6. Dois adeptos do SC Beira-Mar foram expulsos do estádio, só se entendendo a expulsão de um deles por ter acendido um «pote de fumo», na bancada, aquando do golo da sua equipa. Note-se que esse adepto não estava no corredor aquando da intervenção da GNR;
7. A abordagem dos elementos da GNR aos dois adeptos foi extremamente hostil e agressiva, tratando-os sem qualquer dignidade, agarrando-os e empurrando-os desnecessariamente;
8. Perante a indignação dos restantes adeptos que se encontravam naquele sector, alguns elementos da GNR não se coibiram de proferir ameaças e, inclusivamente, dirigir provocações aos adeptos mais exaltados, contribuindo para “inflamar” ainda mais os ânimos;
9. Os incidentes só não foram mais graves devido à actuação de alguns adeptos que tiveram um papel fundamental a acalmar os adeptos mais exaltados e a mediar as situações de tensão provocadas, sobretudo, pela postura agressiva, ameaçadora e provocadora dos elementos da GNR;
10. Os dois ARD presentes naquele local tiveram um comportamento irrepreensível, mantendo uma postura serena, ajudando a acalmar os adeptos e os elementos da GNR mais exaltados.

No final do jogo, ainda incrédulo com o sucedido, questionei aquele que julgo ser o responsável pelo policiamento do referido jogo, sobre os motivos daquela intervenção em força da polícia sobre os adeptos. A resposta que obtive foi lacónica: “O senhor sabe muito bem”. Eu insisti e repeti a pergunta, dizendo-lhe não saber ao que se referia, ao que me respondeu “Os senhores também não agiram bem”. Fiquei perplexo perante estas respostas vindas de alguém que desempenha uma função de segurança e de autoridade pública.

Em momento algum do jogo a ordem pública esteve em causa. Nada justificou a intervenção da polícia e, muito menos, a aplicação da força e da violência sobre os adeptos. Os agentes da autoridade conseguiram transformar um momento de festa e de celebração – o golo do SC Beira-Mar – num pretexto para protagonizar uma cena triste e nada dignificante.

Bem sei que existem vários fenómenos de violência associados ao desporto e compreendo que, à partida para um jogo, as forças de segurança adoptem uma postura de prevenção e de especial atenção, sobretudo, aos adeptos afectos aos clubes visitantes. No entanto, não posso tolerar que, num Estado de Direito, aqueles em quem confiamos a nossa segurança sejam os primeiros a criar e a alimentar situações de conflito e violência num palco que devia ser, primordialmente, de festa e sã convivência.

Convicto que a conduta dos elementos do Destacamento de Intervenção do Porto no aludido jogo não obedeceu aos princípios que norteiam a missão da Guarda Nacional Republicana, tomei a iniciativa de dar conhecimento destes factos a V. Exa. para que possa agir em conformidade.

Grato pela atenção dispensada, fico à disposição para qualquer esclarecimento adicional sobre esta matéria que entenda por conveniente.


Atentamente,

Nuno Quintaneiro Martins

12 comments:

Anónimo disse...

Boas...
Esse primeiro GNR do lado esquerdo era o que mais provocava a responder despropositadamente a tudo o que se dizia! Na foto pode se ver como estava a GNR equipada para os adeptos do Beira-Mar... UMA AUTENTICA VERGONHA o que se passou!!!

Subscrevo inteiramente tudo o que o Nuno disse.

Pedro

Anónimo disse...

Uma vergonha.
A GNR estava com sede de protagonismo.
Parabens pela coragem em denunciar.
Rui

Soares de Castro disse...

Os verdadeiros líderes são assim. Muito bem, Nuno!

Anónimo disse...

Impunidade total... esses gajos podem fazer o que querem, corruptos, incompetentes entre caças a multa.
Algum dia eles defendem os cidadãos? eles são mercenários do estado.

Nuno Q. Martins disse...

Ao último anónimo (00:34):

Temos que ter alguma cautela, pois a generalização é injusta. Como em todas as profissões, existem bons e maus profissionais. Na GNR, como na PSP, existem muitos e bons profissionais, que não merecem partilhar a profissão, tão nobre que é, com indivíduos sem o mínimo de formação cívica.

Ju disse...

Recordo-me de alguns jogos menos simpáticos por acontecimentos como estes. "Já deviam esta habituados" é sempre do mesmo, existe sempre aquele grupo que necessitam de retirar o stress da semana em cima de adeptos!
Diga-se de passagem que há de tudo, adeptos que fervem em pouca água e acaba por ainda acender mais a chama, assim como policia que faz o mesmo.

Tal como dizes em todo o lado existe um bocadinho de tudo!
Esperar que haja resposta do Comandante.

Anónimo disse...

Não vi nada na Sport TV mas acredito no que é aqui dito.
Claro que foi a Clake (20 ou 30pessoas )do Beira num pleno manifesto ordeiro como tem sido seu timbre, para a próxima vamos levar 200 ou 300 ao rubro para que seja visto na TV.
Em casa somos revistados e nem a banana se pode levar, fora levamos porrada. OK

Anónimo disse...

Mais do que a "porrada" o importante é denunciar.
Denunciem tudo o que justificadamente achem errado.

artur disse...

obrigado por teres esta coragem...pois vivemos minutos de terror... nos que la estamos todos os jogos sabemos como somos e a imagem que temos deixado por todo o lado ...se temos que levar para subir !!!!marquem golos que estamos preparados....sempre auri negro!!

Anónimo disse...

GRANDE, ARTUR
"...se temos que levar para subir !!!!marquem golos que estamos preparados....sempre auri negro!!"
Faz-me lembrar o menino chorão do Benfica * Liverpul que apareceu na TV a chorar quando o Benfica marcou um golo.
Isto sim é que espírito, raça beiramarense.
Venham lá os golos para as nossas lágrimas do contentamento. Aplaudo
DM

Anónimo disse...

Exatamente, estamos preparados para tudo.

Anónimo disse...

http://www.onoticiasdatrofa.pt/nt/index.php?option=com_content&view=article&id=5716:adepto-do-beira-mar-entrou-com-tocha-de-fumo-no-estadio&catid=168:desporto&Itemid=414


LEIAMMMM!!!