Arquivos

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Contributos para as modalidades amadoras (I)

Este é uma série de artigos que funcionará como contributo para a gestão das modalidades amadoras e a correcta identificação dos seus problemas. Não me cinjo ao Sport Club Beira-Mar mas sim à realidade nacional (seja de clubes maiores seja de clubes médios) que sirva de análise ao potencial do clube.

Não estou de acordo com a filosofia de independência jurídica ou sequer financeira integral das modalidades do Sport Clube Beira-Mar e temo que uma política desse género leve a extinção pura e simples das mesmas e ao declínio do clube enquanto instituição de utilidade pública. E não acreditem em “supostos” exemplos citadinos porque na realidade “a bota não bate com a perdigota” isto é, o que é dito para fora não é uma realidade interna.

Existem quatro modelos passíveis de serem usadas na gestão das modalidades
a) Subordinação total ao orçamento do clube (incapacidade total de gerar receitas)
b) Modelo misto de contrato por objectivos (por não conseguir obter receitas suficientes para a sua viabilização independente ou por política )
c) Secção Autónoma (em termos financeiros e de gestão)
d) Licensing/gestão por terceiros (utilização da marca SCBM)

Sou apologista, e não serei, o único que estes quatro modelos podem perfeitamente coexistir num clube (acontece no SL Benfica e no Sporting e já existiu no V. Guimarães, por exemplo) devido às especificidades do clube e dos interesses dos colaboradores dessas modalidades.

À priori, o que é importante é que o Clube reveja urgentemente a sua filosofia e os seus métodos de gestão. Atrevo-me a dizer que há vários anos que o Sport Club Beira-Mar não tem uma política de “clube” mas sim uma política de “futebol” e as coisas parece que continuam na mesma. Espero que o “estudo” a ser realizado mude essa filosofia pois situações como as de um passado recente (não vale a pena falar disso) não podem acontecer. A política comercial é do CLUBE e não do futebol. Ou há um pacto de “não agressão” e de trabalho comum... ou não existe clube. Na segunda parte desta série de artigos irei expôr algumas das ideias para as modalidades amadoras.

7 comments:

S.Cruz disse...

Lamento mas axo que não vamos lá com amadores, e estes ja se viu que olham muito para o umbigo, para os ombros e para o futebol.

Anónimo disse...

ACORDEM PARA A VIDA... o kek isto interessa? PFF

JMO disse...

Aprovei estes dois comentários para demonstrar uma tese: apenas a critica pela criica não será nunca a minha política e que pensar que oecletismo e as modalidades amadoras não interessam é matar o clube a curtissimo prazo...

Anónimo disse...

João,
Isto é chover no molhado.
O BM sempre viveu de mecenas, hoje é a excepção, vive como "parasita" sem uma ideia.
Parasita do dinheiro que lhe deixaram nas mão, parasita do não assumir de responsabilidades anteriores (desculpas constante) e empurra pra frente com a antecipação de receitas que ultrapassam já o ano civil.
Ideias para o clube: ZERO.
F Sá

S.Cruz disse...

JMO,
eu sou dessa opinião, e acho bem que seja exposta. Mas aqui é como o "F Sá" disse, é chover no molhado. Nunca vai passar de bla bla bla aos ouvidos de muita gente e nós decidimos aquilo que valemos, um voto em assembleia geral.
E pelo que se viu na última...
cumps

Anónimo disse...

Boa tarde João,
Gosto da forma como abordas a questão das modalidades amadoras e do ecletismo próprio de um clube como o Beira-Mar. Parabens pela tua posição e pelo teu post.
No entanto tenho sérias dúvidas sobre a continuidade de algumas das modalidades sem uma política desportiva para o clube que vá para além do futebol profissional.
Os sócios, alguns funcionários receosos de perderem protagonismo e regalias e a CA de então, ao inviabilizarem a SAD deram um tiro nos pés e adiaram um, no máximo dois anos, a extinção do clube. Receio mesmo que não cheguem ao fim desta época!!...
Olhar para o SCBM como sendo só futebol, é desconhecer toda a envolvente social e desportiva do clube.
Seria muito interessante que o movimento 1922, à semelhança de inicitivas que teve há 3 anos, promovesse debates sobre a viabilidade do clube, estilos de gestão possíveis e se o clube se deve ou não transformar em clube só de futebol, como alguns dos comentários sugerem.
Um abraço do
Barata

Anónimo disse...

os debates do 1922 são sempre para os mesmos...não se incomodem...ostracizados...